O futurista centro de dados do Facebook é quase no Ártico

25 mil dos servidores necessários para a manter as nossas "cronologias" a funcionar estão na gelada Luleå

O fundador da rede social Facebook partilhou ontem imagens do centro de dados da empresa, o primeiro fora dos Estados Unidos. Luleå é uma pequena cidade costeira na Suécia, uns quilómetros a sul do círculo polar Ártico, e desde 2013 acolhe 25 mil dos servidores necessários para a manter as nossas "cronologias" a funcionar.

"Adoro esta fotografia porque parece de um filme de ficção científica", diz Mark Zuckerberg, referindo-se à imagem com ventoinhas gigantes que puxam o ar gelado do exterior para arrefecer os milhares de servidores. "No inverno, quando as temperaturas atingem os 30 graus negativos a situação inverte-se, e o calor dos servidores aquece os edifícios", explica.

O centro tem cerca de 150 empregados e, segundo Zuckerberg, a sala principal é tão grande que os engenheiros se deslocam de scooters.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?