Nova versão de Twin Peaks "é pura heroína"

David Nevins, presidente do canal Showtime, e o criador e realizador David Lynch falaram sobre o regresso da série e adiantaram que a estreia está agendada para 21 de maio com um episódio duplo

Primeiro, David Nevins, presidente do canal Showtime, confirmou que a data de estreia de Twin Peaks será a 21 de maio nos Estados Unidos, com um episódio duplo. Depois, acrescentou que a terceira temporada da série é "pura heroína", ou não fosse ela uma história do conhecido realizador e argumentista David Lynch.

"Lynch é um dos grandes mestres do cinema do meu tempo. Eu acho que esta nova versão [da série de culto dos início dos anos 1990] é pura heroína e estou entusiasmado para mostrá-la ao mundo", disse o executivo durante um encontro com a imprensa organizado pela Associação dos Críticos de Televisão dos EUA.

David Lynch surpreendeu os presentes ao aparecer para integrar o painel dedicado à série, que tornou famosa a questão "Quem matou Laura Palmer?". "Essa é uma pergunta à qual nunca quisemos responder", confessou. O criador acrescentou que a terceira temporada, composta por 18 capítulos, não só terá tudo a ver com as duas primeiras mas também com Twin Peaks: Os Últimos Sete Dias de Laura Palmer, filme que, em 1992, serviu de prequela à trama.

Sobre a possibilidade de se acrescentarem mais temporadas à que se estreia na primavera, o presidente David Nivens elucidou que a nova Twin Peaks "foi criada para ser um evento único e fechado".

Além de Kyle McMachlan, participam neste revival Sherilyn Fenn (Ray Donovan e Shameless), Mädchen Amick (Mad Men), Sheryl Lee (Dirty Sexy Money e Psych), David Duchovny (Ficheiros Secretos e Californication), Laura Dern (West Wing), Michael Cera (Arrested Development), Richard Chamberlain (Brothers & Sisters), Trent Reznor e Jessica Szohr (Gossip Girl).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.