Miguel Sousa Tavares: "O Facebook é uma arma nuclear de destruição maciça"

O jornalista e escritor nunca escondeu a sua posição sobre o Facebook e as redes sociais. Ao DN diz que Zuckerberg é brilhante e sabia bem o poder da rede que criou

Tem sido a grande bandeira contra o Facebook em Portugal...
... Já fui contra os anti-fumadores, entretanto deixei de fumar.


Confirma-se que tinha razão no que dizia de mal sobre esta rede social?
Acho que sim e a 200%.


As confissões de Zuckerberg são confiáveis?
Ainda não vi o depoimento dele, mas acho que é tudo um fingimento e já sabia no que aquilo ia dar. É como os cientistas que começaram a trabalhar na fusão do átomo sem terem previsto que ia acabar em Hiroshima.


Apesar de novo não é ingénuo?
Claro que não. Zuckerberg é um tipo brilhante e sabia muito bem qual era o potencial do Facebook. Que é uma arma nuclear de destruição maciça que tanto poderia ser uma coisinha inofensiva para pôr os colegas em contacto ou como me diziam ingenuamente a princípio os meus conhecidos, que deste modo reencontravam os colegas da primária. É antes um instrumento global de controlo de tudo.


Não se foi longe de mais quando se diz que o Facebook manipulou as eleições americanas e o Brexit?
Não, porque o potencial perigoso do Facebook é, como se revelou, ser capaz de manipular a vontade e as emoções das pessoas. Isso começou por ser utilizado para a publicidade e a partir daí serve para tudo, incluindo o sentido de voto das pessoas. A partir do momento em que o algoritmo consegue detetar os gostos das pessoas e o padrão de comportamento, tanto pode dar para a escolha de um fato de banho como para um candidato. E o mais interessante na história da Cambridge Analytica nas eleições nos EUA é terem ido à procura dos swing voters, ou seja os que podem ser manipulados através de informações falsas, e assim alterar o sentido de voto deles.


As pessoas são assim tão ingénuas?
São, basta ver o que se passa com Bruno de Carvalho no Sporting. É um bom exemplo, infelizmente vivemos um tempo em que as pessoas não tem tempo nem vontade de serem informadas. Basta ver que em janeiro o Zuckerberg teve a noção de que iria haver uma grande reação e logo informou que o Facebook ia controlar as fake news. O que aconteceu? Houve uma revolta dentro dos consumidores do Facebook, ou seja, querem fake news. O Facebook cumpre o sonho do Orwell ao contrário, são as ovelhas que se entregam ao pastor voluntariamente.


Bruno de Carvalho manipula através do Facebook?
Claro. É assustador e não sei se há marcha atrás. Isso é o pior, porque se se disser aos 87 milhões de pessoas cujo voto pode ter sido manipulado, quer no Brexit quer nos EUA, eles não vão mudar de opinião pois não aceitam que foram aldrabados. Essa situação é a mais grave, daí ser improvável haver retorno nesta situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.