Melissa McCarthy tem um novo papel: porta-voz de Trump

Os dois sketches sobre a Casa Branca de Trump, o de McCarthy e o de Alec Baldwin, são os mais populares do último programa no YouTube

A atriz Melissa McCarthy participou na edição deste sábado do programa de comédia Saturday Night Live (SNL) e entre as várias cenas em que colaborou há uma que está a dar que falar: a imitação do porta-voz da Casa Branca Sean Spicer.

McCarthy brincou com a relação com a relação difícil de Spicer com a imprensa, que começou logo na primeira conferência de imprensa, em que não aceitou perguntas, e também com facto de o porta-voz ter publicado no Twitter uma série de letras e números que pareciam ser palavras-passe. No sketch, o jornalista da CNN aparece numa jaula na sala de imprensa, uma referência às críticas de Trump ao canal de televisão.

Aliás, os dois sketches sobre a Casa Branca de Trump, o de McCarthy e o de Alec Baldwin, são de longe os mais populares de entre os do último programa partilhados no YouTube - têm 1,2 milhões de visualizações cada, em menos de 12 horas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.