Lourenço Ortigão e Albano Jerónimo já estão a caminho dos Emmy

Os atores da TVI partiram esta manhã de Lisboa rumo a Nova Iorque, onde será a gala dos Emmy Internacionais

A cerimónia de entrega dos Emmy Internacionais realiza-se na próxima segunda-feira, 23 de novembro, em Nova Iorque. Albano Jerónimo e Lourenço Ortigão são os rostos escolhidos para representar Portugal e partiram já esta manhã de Lisboa, às 12.35, rumo ao Aeroporto de Newark.

Albano viaja em nome de Mulheres, que está nomeada para melhor novela, juntamente com Jikulumessu, de Angola, Império, do Brasil, e Ciega a Citas, de Espanha. "É um grande orgulho levar um trabalho feito cá, em Portugal, lá para fora. Gostei imenso de fazer este projeto, onde as protagonistas eram sete mulheres e onde os homens existiam numa posição muito interessante, que era exatamente de destacar o papel delas", sublinhou o ator, pouco depois de chegar ao Aeroporto da Portela, por volta das 09.30. E destacou: "É uma novela urbana, muito bem escrita, uma novela mais de interiores, não só em termos de décors, mas também de trabalho de atores. Guardo este trabalho com muito amor e é, de facto, um orgulho tremendo".

Já Lourenço Ortigão, a convite da International Academy of Television Arts & Sciences, vai subir ao palco para entregar o prémio de melhor programa de horário nobre não inglês, acompanhado pela atriz e cantora brasileira Leandra Leal. Para além de ser co-apresentador, fez também parte do júri. "Estive durante muito tempo a ver séries e telenovelas, para depois fazer as minhas avaliações. É uma aprendizagem ver o que se está a fazer no resto do mundo, porque temos mais noção da qualidade dos produtos que temos. E devo dizer-vos que temos produtos ótimos, não é por acaso que temos tido estas nomeações todas nos últimos anos", frisou o protagonista d' A Única Mulher.

Nenhum dos atores mostrou receio de viajar de avião até Nova Iorque, depois dos atentados terroristas, mas não deixaram de lamentar o clima que agora se vive. "Não vou com receio. Acredito que todas estas manobras contribuem para uma política do medo para a qual eu, como cidadão, não contribuo", assegurou Albano Jerónimo.

Lourenço, que esteve em França na altura dos atentados em Paris, realça ainda mais a gravidade da situação. "Não vou com medo, nem penso sequer na hipótese de haver alguma má sorte, mas acho que o que se passou foi gravíssimo. Acho que se está a entrar num período em que pode haver uma guerra muito grande e que nos pode até envolver a nós. Está a tentar espalhar-se o terror, o horror, o medo... Mas acredito que não vá acontecer nada", concluiu, antes de se dirigir para a zona de embarque.

Para além de marcarem presença na cerimónia apresentada pelo humorista Bassem Youssef, os atores da TVI revelam, ainda, que pretendem desfrutar de Nova Iorque, "passear e ver espetáculos".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."