Lisbonland. O espetáculo 4D está a chegar

O show decorrerá entre 14 e 23 de dezembro, com sessões às 19h, 20h e 21h

O ateliê OCUBO, especialista na área de projeções interativas, vai organizar um espetáculo na Fonte Luminosa da Alameda D. Afonso Henriques, em Lisboa. O Lisbonland.realiza-se entre 14 e 23 de dezembro e promete animar esta zona da cidade com uma narrativa natalícia divertida, contada através de uma projeção 4D - que inclui jatos de fogo sincronizados com imagens projetadas.

Com três sessões por dia - uma às 19h, outra às 20h e a última às 21h -, este espetáculo terá a participação da fadista portuguesa Cuca Roseta, que irá interagir virtualmente.

Este evento é uma iniciativa da Associação de Turismo de Lisboa e da Câmara Municipal. Serão também realizadas intervenções noutros pontos de Lisboa, como o Aqueduto das Águas Livres, o Monsanto, o Museu da Eletricidade, a Ponte 25 de Abril, a Torre de Belém, o Rio Tejo e a Gare do Oriente.

Não é a primeira vez que OCUBO organiza projeções multimédia sobre edifícios portugueses: "O Fabuloso Desejo de Natal" e "Arco de Luz" são alguns dos seus trabalhos apresentados no Terreiro do Paço, em Lisboa, e que já atraíram mais de 1,5 milhões de espetadores. A empresa recebeu o Prémio de Melhor Produção Audiovisual e Multimédia 2013 e o Prémio Animação da Gala dos Eventos 2014.

O Lumina Festival de Luz, anual, que tem lugar em Cascais, valeu-lhe também o Prémio de Melhor Evento Cultural 2013 da Gala dos Eventos 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.