Lady Gaga volta a protagonizar "American Horror Story"

A cantora norte-americana estreou-se como atriz em séries de televisão no ano passado com a temporada "Hotel"

Quem avançou a novidade foi a própria Lady Gaga, em entrevista à estação de rádio nova-iorquina Z100. À pergunta sobre a possibilidade do regresso da artista pop ao pequeno ecrã para interpretar a personagem The Countess, a cantora de 29 anos soltou um simples "sim", e de pronto desviou questões sobre pormenores da nova temporada.

Apesar de não haver quaisquer confirmações oficiais, Ryan Murphy já havia confessado que gostaria de contar com Lady Gaga para futuras colaborações. De resto, a agora atriz assumiu, no ano passado, um relevante papel no guião de American Horror Story: Hotel, série de antologia criada por Ryan Murphy, espaço anteriormente ocupado pela carismática Jessica Lange.

A qualidade da prestação de Gaga valeu-lhe o Globo de Ouro na categoria de melhor atriz em série televisiva, em janeiro último. A distinção de personagens preponderantes de American Horror Story é já recorrente, tendo Jessica Lange também ganho um Globo de Ouro no ano de estreia da série, em 2011.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.