La Casa del Papel inspira Paços de Ferreira

A equipa de futebol da capital do móvel vai defrontar o Desportivo de Chaves a 31 de março, em casa. Para motivar os adeptos a irem ao estádio publicaram um vídeo no Facebook inspirado na série espanhola transmitida pela Netflix

"O plano está traçado e em andamento, para que dê tudo certo só faltas tu. Podemos contar contigo?"

É este o convite que o "professor" Ricardo, o número 19 da equipa de futebol do Paços de Ferreira, faz no vídeo que a equipa gravou ao bom estilo da La Casa del Papel, série espanhola da Netflix que está a fazer sucesso internacionalmente. A ideia é incentivar os adeptos a fazerem "um assalto ao estádio" da Mata Real, em Paços de Ferreira, no dia em que a equipa recebe o Chaves, a 31 de março.

Sob as tags #SaiDeCasaPacense e #TodosPaços, o vídeo que a equipa partilhou no Facebook já ultrapassou as 90 mil visualizações.

Mas como surgiu esta ideia?

A série La Casa del Papel é um dos maiores sucessos internacionais da atualidade.

Criada por Álex Pina para a rede de televisão espanhola Antena 3, a minissérie estreou a 2 de maio de 2017, tendo sido posteriormente adquirida pela Netflix, onde ficou disponível a partir de dezembro do ano passado.

A empresa de streaming dividiu a minissérie original em duas temporadas sendo que a primeira temporada é constituída por 13 episódios e a segunda - que vai estrear a 6 de abril - irá contar com mais 6.

As críticas não podiam ser melhores

A minissérie foi eleita a melhor série espanhola da história, elogio atribuído por diversos meios de comunicação espanhóis. Mas a fama não se fica por Espanha, onde a série foi vista por mais de 1,8 milhões de pessoas.

A série de televisão tem vindo a conquistar prémios em diferentes festivais dedicados à televisão. A fama é tanta que até o Carnaval do Brasil se rendeu a La Casa de Papel, com a roupa e máscaras utilizadas pelos assaltantes a servir de disfarce em blocos carnavalescos.

A história

Na série da Netflix, um homem misterioso que atende pelo nome de El Profesor ("Professor"), planeia o maior assalto do século.

A fim de realizar o ambicioso plano ele recruta oito pessoas com certas habilidades e que não têm nada a perder. O objetivo é entrarem na Casa da Moeda, para poderem imprimir 2,4 mil milhões de euros.

Para fazer isso eles precisam de onze dias de reclusão, durante os quais vão ter que lidar com sessenta e sete reféns e com as forças da Polícia de elite, com cenas de muita ação e planos brilhantes de El Profesor.

Como qualquer série precisa de um romance, os espectadores ficam agarrados com a paixão improvável que acaba por nascer entre o El Profesor e a agente da polícia que está encarregada da Casa da Moeda no dia do assalto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.