La Casa del Papel inspira Paços de Ferreira

A equipa de futebol da capital do móvel vai defrontar o Desportivo de Chaves a 31 de março, em casa. Para motivar os adeptos a irem ao estádio publicaram um vídeo no Facebook inspirado na série espanhola transmitida pela Netflix

"O plano está traçado e em andamento, para que dê tudo certo só faltas tu. Podemos contar contigo?"

É este o convite que o "professor" Ricardo, o número 19 da equipa de futebol do Paços de Ferreira, faz no vídeo que a equipa gravou ao bom estilo da La Casa del Papel, série espanhola da Netflix que está a fazer sucesso internacionalmente. A ideia é incentivar os adeptos a fazerem "um assalto ao estádio" da Mata Real, em Paços de Ferreira, no dia em que a equipa recebe o Chaves, a 31 de março.

Sob as tags #SaiDeCasaPacense e #TodosPaços, o vídeo que a equipa partilhou no Facebook já ultrapassou as 90 mil visualizações.

Mas como surgiu esta ideia?

A série La Casa del Papel é um dos maiores sucessos internacionais da atualidade.

Criada por Álex Pina para a rede de televisão espanhola Antena 3, a minissérie estreou a 2 de maio de 2017, tendo sido posteriormente adquirida pela Netflix, onde ficou disponível a partir de dezembro do ano passado.

A empresa de streaming dividiu a minissérie original em duas temporadas sendo que a primeira temporada é constituída por 13 episódios e a segunda - que vai estrear a 6 de abril - irá contar com mais 6.

As críticas não podiam ser melhores

A minissérie foi eleita a melhor série espanhola da história, elogio atribuído por diversos meios de comunicação espanhóis. Mas a fama não se fica por Espanha, onde a série foi vista por mais de 1,8 milhões de pessoas.

A série de televisão tem vindo a conquistar prémios em diferentes festivais dedicados à televisão. A fama é tanta que até o Carnaval do Brasil se rendeu a La Casa de Papel, com a roupa e máscaras utilizadas pelos assaltantes a servir de disfarce em blocos carnavalescos.

A história

Na série da Netflix, um homem misterioso que atende pelo nome de El Profesor ("Professor"), planeia o maior assalto do século.

A fim de realizar o ambicioso plano ele recruta oito pessoas com certas habilidades e que não têm nada a perder. O objetivo é entrarem na Casa da Moeda, para poderem imprimir 2,4 mil milhões de euros.

Para fazer isso eles precisam de onze dias de reclusão, durante os quais vão ter que lidar com sessenta e sete reféns e com as forças da Polícia de elite, com cenas de muita ação e planos brilhantes de El Profesor.

Como qualquer série precisa de um romance, os espectadores ficam agarrados com a paixão improvável que acaba por nascer entre o El Profesor e a agente da polícia que está encarregada da Casa da Moeda no dia do assalto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.