La Casa del Papel inspira Paços de Ferreira

A equipa de futebol da capital do móvel vai defrontar o Desportivo de Chaves a 31 de março, em casa. Para motivar os adeptos a irem ao estádio publicaram um vídeo no Facebook inspirado na série espanhola transmitida pela Netflix

"O plano está traçado e em andamento, para que dê tudo certo só faltas tu. Podemos contar contigo?"

É este o convite que o "professor" Ricardo, o número 19 da equipa de futebol do Paços de Ferreira, faz no vídeo que a equipa gravou ao bom estilo da La Casa del Papel, série espanhola da Netflix que está a fazer sucesso internacionalmente. A ideia é incentivar os adeptos a fazerem "um assalto ao estádio" da Mata Real, em Paços de Ferreira, no dia em que a equipa recebe o Chaves, a 31 de março.

Sob as tags #SaiDeCasaPacense e #TodosPaços, o vídeo que a equipa partilhou no Facebook já ultrapassou as 90 mil visualizações.

Mas como surgiu esta ideia?

A série La Casa del Papel é um dos maiores sucessos internacionais da atualidade.

Criada por Álex Pina para a rede de televisão espanhola Antena 3, a minissérie estreou a 2 de maio de 2017, tendo sido posteriormente adquirida pela Netflix, onde ficou disponível a partir de dezembro do ano passado.

A empresa de streaming dividiu a minissérie original em duas temporadas sendo que a primeira temporada é constituída por 13 episódios e a segunda - que vai estrear a 6 de abril - irá contar com mais 6.

As críticas não podiam ser melhores

A minissérie foi eleita a melhor série espanhola da história, elogio atribuído por diversos meios de comunicação espanhóis. Mas a fama não se fica por Espanha, onde a série foi vista por mais de 1,8 milhões de pessoas.

A série de televisão tem vindo a conquistar prémios em diferentes festivais dedicados à televisão. A fama é tanta que até o Carnaval do Brasil se rendeu a La Casa de Papel, com a roupa e máscaras utilizadas pelos assaltantes a servir de disfarce em blocos carnavalescos.

A história

Na série da Netflix, um homem misterioso que atende pelo nome de El Profesor ("Professor"), planeia o maior assalto do século.

A fim de realizar o ambicioso plano ele recruta oito pessoas com certas habilidades e que não têm nada a perder. O objetivo é entrarem na Casa da Moeda, para poderem imprimir 2,4 mil milhões de euros.

Para fazer isso eles precisam de onze dias de reclusão, durante os quais vão ter que lidar com sessenta e sete reféns e com as forças da Polícia de elite, com cenas de muita ação e planos brilhantes de El Profesor.

Como qualquer série precisa de um romance, os espectadores ficam agarrados com a paixão improvável que acaba por nascer entre o El Profesor e a agente da polícia que está encarregada da Casa da Moeda no dia do assalto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.