Kirsten Dunst em nova série pela mão de George Clooney

Kirsten Dunst vai ser a protagonista de uma nova série de comédia negra do canal AMC, que terá a produção de George Clooney

Protagonizou a segunda temporada de Fargo e volta agora a apostar na ficção televisiva, como a protagonista e produtora-executiva de On Becoming a God in Central Florida, uma nova série de comédia negra encomendada pelo canal AMC, e que conta ainda com a produção de George Clooney, com a sua empresa Smokehouse Pictures.

A imprensa internacional adianta que a trama protagonizada pela atriz de 34 anos se passa na década de 1990 e tem sido descrita como "uma comédia negra sobre o espírito livre no empreendedorismo e a busca incansável de uma mulher pelo sonho americano".

A nova série de Kirsten Dunst está a ser escrita pela dupla Robert Funke e Matt Lutsky e será realizada pelo grego Yorgos Lanthimos, o autor de filmes como A Lagosta e Dogtooth, este último nomeado para um Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2009.

Dunst dará vida a Krystal Gill, uma recém-viúva e empregada num parque aquático em Orlando, onde recebe o salário mínimo, e que, de repente, fica sem nada na vida.

Na televisão, e para além da já referida Fargo, a atriz já participou em séries como Star Trek: The New Generation, Serviço de Urgência ou Cosmos, entre outras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.