Jornais ingleses contra nova lei para os media

O ator britânico Hugh Grant é um dos defensores da medida que visa criar uma instituição intermediária que substitua os tribunais em casos de queixas contra órgãos de comunicação social

Os elevados custos judiciais e o tempo que um processo demora a encontrar resolução dos tribunais levou a que, em 2013, fosse aprovada por todos os partidos britânicos uma lei que visa a criação de uma instituição que ajude visados de notícias publicadas nos órgãos de comunicação social a apresentarem queixa e terem uma resposta mais célere. A implementação dessa medida ficou decidida esta semana e já fez levantar um coro de vozes que afirmam que "compromete a liberdade de imprensa".

The Guardian, Financial Times, Independent, Evening Standard e Repórteres sem Fronteiras, entre outros, estão unidos contra esta lei, que obriga os órgãos que se recusarem a juntar-se ao novo organismo de regulação a pagar todas as despesas de processos judiciais, independentemente da decisão do caso ser contra ou a seu favor.

O ator Hugh Grant, um dos maiores defensores da medida conhecida como Secção 40, escreveu um artigo de opinião no The Guardian no qual explica que "através deste sistema de arbitragem, uma pessoa pode ver uma queixa contra um órgão de comunicação ser resolvida em menos de um dia e por um valor muito mais baixo, por menos de 200 euros, sem ter de sofrer com o stresse e os custos de ir a tribunal".

Do outro lado, os jornais afiançam que a lei, essencialmente direcionada a quem acredite ser alvo de notícias falsas ou difamatórias, prejudicará o jornalismo de investigação. "Não vai trazer qualquer benefício para o público. Fará apenas com que os media deixem de realizar investigações mais complicadas contra personalidades poderosas com receio das consequências", escreve o mesmo jornal onde Grant publicou o seu artigo de opinião.

O Financial Times acrescenta que "a medida iria infligir custos legais desproporcionados, injustos e potencialmente desastrosos para os jornais, independentemente das questões éticas", e alerta que a mesma será "particularmente grave para os editores de jornais locais e regionais", que não têm o mesmo poder financeiro que os grandes grupos de media.

A Secção 40 surge no seguimento das escutas telefónicas ilegais no grupo de Rupert Murdoch, que levaram ao fecho do News of The World e deram origem ao inquérito Leveson.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.