Já foi escolhido o jovem Sheldon para prequela de "A Teoria do Big Bang"

A escolha recaiu sobre Iain Armitage.

Com 10 temporadas exibidas - e mais duas já confirmadas -, A Teoria do Big Bang tem também a caminho uma prequela centrada em Sheldon Cooper. Depois de um intensivo processo de casting, o papel desta interpretada por Jim Parsons em jovem foi entregue a Iain Armitage, ator de oito anos que já participou em projetos como Lei e Ordem: Unidade Especial e Pequenas Grandes Mentiras.

O spin-off, intitulado "Sheldon", contará ainda com Zoe Perry (Scandal) na pele de mãe do protagonista. Atrás das câmaras, na cadeira de produtor executivo, estará o Sheldon original, Jim Parsons, que com esse papel já venceu um Globo de Ouro e quatro prémios Emmy.

A Variety apurou que esta nova aposta do canal CBS ainda não recebeu, oficialmente, uma encomenda para o primeiro episódio. Ainda assim, os responsáveis já preveem que a primeira temporada tenha 13 capítulos. Sabe-se ainda que Sheldon será escrita por Chuck Lorre e Steve Molaro - criador e produtor executivo de A Teoria do Big Bang, respetivamente.

Ao longo das dez temporadas da "sitcom" original, foram feitas várias referências à infância de Sheldon, jovem prodígio da área das ciências que cresceu no Texas, sob as asas de uma mãe muito religiosa. Essa é, para já, a premissa que se conhece da prequela.

Quanto à série original, sabe-se que estão a decorrer, neste momento, negociações salariais com as suas sete estrelas - Jim Parsons, Johnny Galecki, Kaley Cuoco, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Melissa Rauch e Mayim Bialik. Estas duas últimas atrizes, segundo a Variety, têm sido o motivo de atraso do processo de renovação contratual, já que estão em busca de igualdade salarial em relação aos colegas. Também por esse motivo, os restantes atores deverão sofrer uma ligeira redução dos seus rendimentos.

Isto acontece porque, apesar de ser a comédia de maior audiência do horário nobre norte-americano, A Teoria do Big Bang envolve um investimento elevado, de cerca de 9,5 milhões de euros por cada episódio de 30 minutos.

Entretanto, o CBS já deu luz verde à 11.ª e 12.ª temporadas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?