Inauguração do metro de Lisboa em 1959

Presidente Américo Tomás fez a viagem inaugural, num comboio benzido pelo cardeal Cerejeira e que partiu da estação dos Restauradores pouco depois das 11 da manhã de 29 de dezembro

A primeira página do DN de 30 de dezembro de 1959 é marcada por duas notícias principais: o almoço de aniversário do próprio jornal, que celebrou na véspera os 95 anos, e a primeira viagem no metro de Lisboa. Ora, nascidos no mesmo dia mas com quase um século de diferença, o DN vai a caminho dos 152 anos, enquanto o metro faz 57. Mas olhando para a história da Europa, Lisboa até foi das capitais que tardaram a apostar num destes comboios que percorrendo túneis nas cidades se transformaram no meio de transporte urbano de maior sucesso. Londres, por exemplo, tem metro desde 1863, enquanto Budapeste inaugurou o seu em 1896, o primeiro da Europa continental, quando havia ainda império austro-húngaro. Mas se o presidente Américo Tomás estreou o metropolitano a 29 de dezembro, só no dia seguinte os lisboetas puderam experimentar a modernidade. Como escreveu o DN, "o metropolitano que é posto hoje ao serviço do público foi ontem inaugurado pelo Presidente da República". Foram 11 as estações iniciais. Hoje são 56.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.