Inauguração do metro de Lisboa em 1959

Presidente Américo Tomás fez a viagem inaugural, num comboio benzido pelo cardeal Cerejeira e que partiu da estação dos Restauradores pouco depois das 11 da manhã de 29 de dezembro

A primeira página do DN de 30 de dezembro de 1959 é marcada por duas notícias principais: o almoço de aniversário do próprio jornal, que celebrou na véspera os 95 anos, e a primeira viagem no metro de Lisboa. Ora, nascidos no mesmo dia mas com quase um século de diferença, o DN vai a caminho dos 152 anos, enquanto o metro faz 57. Mas olhando para a história da Europa, Lisboa até foi das capitais que tardaram a apostar num destes comboios que percorrendo túneis nas cidades se transformaram no meio de transporte urbano de maior sucesso. Londres, por exemplo, tem metro desde 1863, enquanto Budapeste inaugurou o seu em 1896, o primeiro da Europa continental, quando havia ainda império austro-húngaro. Mas se o presidente Américo Tomás estreou o metropolitano a 29 de dezembro, só no dia seguinte os lisboetas puderam experimentar a modernidade. Como escreveu o DN, "o metropolitano que é posto hoje ao serviço do público foi ontem inaugurado pelo Presidente da República". Foram 11 as estações iniciais. Hoje são 56.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.