Impresa compromete-se a "privilegiar ofertas que incluam os trabalhadores"

Os responsáveis do grupo adiantaram ter recebido "cerca de uma dezena" de propostas de compra que dizem pretender agora analisar "o mais rápido possível"

O grupo Impresa comprometeu-se esta quinta-feira a "privilegiar ofertas de compra que incluam os trabalhadores" das 13 publicações que pretende vender, relativamente às quais diz já ter recebido "cerca de uma dezena" de propostas, divulgou o Sindicato dos Jornalistas.

Em comunicado emitido após uma reunião com o presidente da Comissão Executiva do grupo Impresa a propósito do futuro das revistas do grupo, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) diz ter obtido destes responsáveis "o compromisso de privilegiar as ofertas de compra para as 13 publicações à venda que incluam os trabalhadores desses mesmos títulos".

"Francisco Pinto Balsemão e Francisco Pedro Balsemão reconheceram que 'a situação é preocupante' e frisaram que manter um jornalismo independente implica obter dinheiro para o financiar", revelou.

A administração da Impresa afirmou esta quinta-feira que foram efetuados contactos junto de potenciais interessados. E que no seguimento da iniciativa, a Impresa "recebeu manifestações de interesse, que serão analisadas no decurso do processo formal de negociação", pode ler-se num comunicado enviado à CMVM.

Na reunião, os responsáveis do grupo adiantaram ter recebido "cerca de uma dezena" de propostas de compra que revelaram ser "desde grupos de média a empresários individuais", e pretendem agora analisá-las "o mais rápido possível". O número de interessados foi considerado por ambos como "um indicador positivo".

A venda das publicações Visão, Visão Júnior, Visão História, Caras, Caras Decoração, Activa, Exame, Exame Informática, Telenovelas, TV Mais, Courrier Internacional, Blitz e Jornal de Letras foi justificada pela Impresa como fazendo parte de uma estratégia de "reposicionamento" do grupo.

De fora do processo estão o canal de televisão SIC e o semanário Expresso, tendo Francisco Pinto Balsemão e Francisco Pedro Balsemão garantido ao SJ que "não estão no horizonte outras operações".

A Impresa anunciou a 23 agosto a venda de todas as publicações (excluindo o Expresso) do grupo, onde trabalham mais de uma centena de pessoas, na maioria jornalistas.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.