Herman José prepara novo programa com Maria Rueff

Humorista terá "talk show" em setembro. Antes disso, a sua mãe participará no final de "Nelo & Idália"

Terminadas as gravações da sitcom Nelo & Idália, da RTP1, Herman José já está com as atenções viradas para o seu próximo projeto na estação pública. Com estreia prevista para setembro, o novo formato marcará o regresso do apresentador e humorista aos talk shows. Ainda numa fase embrionária, a única certeza que Herman tem, para já, é que a direção de programas quer manter a dupla com Maria Rueff, algo que o deixa muito satisfeito.

"Para mim é um privilégio manter a parceria com a melhor comediante da sua geração", disse ao DN. Já a participação dos restantes atores que costumam colaborar nos seus programas, como Joaquim Monchique, Manuel Marques e Ana Bola, explica que poderá acontecer de uma forma pontual, como aconteceu em Nelo & Idália, uma vez que "a carreira de DDT: Donos Disto Tudo manter-se-á até ao final do ano".

Relativamente ao espaço disponibilizado na grelha de programação para o seu programa, Herman acredita que "vá para o ar entre sexta e domingo, num horário não demasiadamente tarde". "Mas como provei com dez meses de programas diários no Há Tarde, estou de peito feito a todos os desafios, mesmo os mais imprevisíveis", frisou o comediante, demonstrando-se bastante contente por continuar na RTP. "É a minha casa, onde espero viver o terceiro ato da minha carreira".

Antes da estreia do seu novo programa, Herman José continua em antena na RTP1, na série de humor Nelo & Idália que ainda vai contar com uma participação muito especial: a sua mãe Odette. "Faltam ir para o ar seis episódios, que culminam num casamento - do Dr. Lambujinha (Herman) com a Gina G (Rueff) - protagonizado pelo padre Tondela (Eládio Clímaco) com direito ao cântico em latim pela minha mãe (Odette) que inicia assim a sua carreira de estrela televisiva!", revelou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.