Herman José prepara novo programa com Maria Rueff

Humorista terá "talk show" em setembro. Antes disso, a sua mãe participará no final de "Nelo & Idália"

Terminadas as gravações da sitcom Nelo & Idália, da RTP1, Herman José já está com as atenções viradas para o seu próximo projeto na estação pública. Com estreia prevista para setembro, o novo formato marcará o regresso do apresentador e humorista aos talk shows. Ainda numa fase embrionária, a única certeza que Herman tem, para já, é que a direção de programas quer manter a dupla com Maria Rueff, algo que o deixa muito satisfeito.

"Para mim é um privilégio manter a parceria com a melhor comediante da sua geração", disse ao DN. Já a participação dos restantes atores que costumam colaborar nos seus programas, como Joaquim Monchique, Manuel Marques e Ana Bola, explica que poderá acontecer de uma forma pontual, como aconteceu em Nelo & Idália, uma vez que "a carreira de DDT: Donos Disto Tudo manter-se-á até ao final do ano".

Relativamente ao espaço disponibilizado na grelha de programação para o seu programa, Herman acredita que "vá para o ar entre sexta e domingo, num horário não demasiadamente tarde". "Mas como provei com dez meses de programas diários no Há Tarde, estou de peito feito a todos os desafios, mesmo os mais imprevisíveis", frisou o comediante, demonstrando-se bastante contente por continuar na RTP. "É a minha casa, onde espero viver o terceiro ato da minha carreira".

Antes da estreia do seu novo programa, Herman José continua em antena na RTP1, na série de humor Nelo & Idália que ainda vai contar com uma participação muito especial: a sua mãe Odette. "Faltam ir para o ar seis episódios, que culminam num casamento - do Dr. Lambujinha (Herman) com a Gina G (Rueff) - protagonizado pelo padre Tondela (Eládio Clímaco) com direito ao cântico em latim pela minha mãe (Odette) que inicia assim a sua carreira de estrela televisiva!", revelou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.