"Haja Coração!" e "Liberdade Liberdade" estreiam-se dia 5 na SIC

As novelas da Globo chegam à SIC no dia 5 de setembro e substituem "I Love Paraisópolis" e "Verdades Secretas", respetivamente

A SIC reservou a primeira segunda-feira do mês de setembro para uma estreia em dose dupla. As novelas da Globo Haja Coração! e Liberdade Liberdade começam a ser exibidas no dia 5 e substituem, respetivamente, I Love Paraisópolis, na faixa horária das 19.00, e Verdades Secretas, que vai para o ar por volta das 23.30.

Num registo descontraído e leve, Haja Coração! é o remake da novela Sassaricando, que fez furor no final da década de 80. Esta nova versão é protagonizada por Mariana Ximenes, no papel de Tancinha, Malvino Salvador, que interpreta Apolo, e Cleo Pires, que dá vida a Tamara. Este foi o formato escolhido para os finais de tarde da generalista de Carnaxide.

"A novela vai retratar São Paulo como ela é: uma mistura de culturas. Existem centros comerciais ao lado de comércios populares, tradições italianas, libanesas... Vamos trazer um pouco disso para a trama", salientou Daniel Ortiz, autor deste remake.

Já na sua reta final, Verdades Secretas prepara-se para dar lugar a Liberdade Liberdade, que conta com a participação do ator português Ricardo Pereira. Assinada por Mário Teixeira, esta trama recua aos finais do século XVIII e inícios do século XIX e narra a história de Joaquina (Andreia Horta), uma mulher que carrega o peso de ser descendente de Tiradentes (Thiago Larcerda) considerado traidor da coroa portuguesa e condenado à forca.

"Esta é a história de uma mulher que vive nesse período conturbado do país, em que o Brasil deixa de ser colónia e passa a ser capital da coroa portuguesa. É um período de revolução, do movimento da Inconfidência Mineira, e de outros movimentos que desembocaram na Independência do Brasil", revelou o autor de Liberdade Liberdade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.