'Há Volta': 2000 quilómetros e 42 graus à sombra

Catarina Camacho, Mário Augusto e Tiago Góes Ferreira percorreram, na dianteira da Volta, 2000 quilómetros. O programa da RTP1, que celebra a sua décima edição, terminou com passeio no Tejo

Catraias, canoas, faluas e fragatas são tipos de embarcações que, antes dos motores, circulavam no rio Tejo. Para a abertura do 13º (e último) Há Volta, o programa de entretenimento da RTP1 que antecede o final de cada etapa da Volta a Portugal, Mário Augusto e Catarina Camacho embarcaram na canoa Gavião dos Mares. No meio do rio, entre veleiros, cacilheiros e outras embarcações, o jornalista e a apresentadora arrancam o derradeiro direto... antes de uma merecidas férias.

Uma hora antes, perto do meio-dia, Tiago Góes Ferreira e Catarina Camacho chegam ao plateau, montado no relvado da Ribeira das Naus. Ali mesmo ao lado, uns 200 metros à esquerda, a Praça do Comércio está repleta de camiões, palcos, carros da polícia, tudo para receber a chegada dos ciclistas na derradeira etapa da prova-rainha do ciclismo nacional. No edifício do Arsenal da Marinha, estão os camarins improvisados. A equipa técnica almoça com vagar (a montagem do plateau, que dura entre 3 a 4 horas, está terminada), enquanto os apresentadores se maquilham e passam em revista o alinhamento com o editor, Afonso Carboila.

Mário Augusto e Catarina Camacho apresentaram início do programa a borda de uma canoa no Tejo

"É neste tipo de programas que se vê o verdadeiro sentido do serviço público", diz Mário Augusto. O jornalista de 53 anos que, desde 2013, também apresenta formatos de entretenimento, enfatiza o papel complementar do formato à transmissão da prova de ciclismo.

"Este programa é especial, desde já, pela ligação com a Volta. Como experiência, é muito mais engraçado porque há todo um circo montado. Os corredores a chegar, a funzone...Tem muito a ver com a minha memória de infância da Volta a Portugal", recorda Mário Augusto, que é natural de Espinho.

Os telespectadores mais atentos do Há Volta terão reparado que Mário Augusto é o único do trio que não promove o número de valor acrescentado que dá direito, por sorteio, a um prémio. Isto acontece porque o apresentador é também jornalista, o que o impede de publicitar este tipo de segmentos. "É uma coisa que não posso fazer. Não me sentiria bem a fazê-lo. Essa questão legal acaba por proteger-me desse papel", explica.

Sem gasóleo a dez quilómetros da "meta"

Tiago Góes Ferreira apresenta o Há Volta pelo segundo ano consecutivo. Catarina Camacho está no formato há quatro anos. A dupla dividiu, ao longo das últimas duas semanas, o mesmo carro, percorrendo o país de lés a lés. "A forma de nos divertirmos é andarmos às turras (risos) ! Convivemos quase 24 horas por dia, só não dormimos juntos. Temos de criar algum método e o que escolhemos foi este. Mas funciona!", explica o apresentador madeirense de 32 anos.

Uma parceria sobre rodas que dá azo a algumas peripécias, como a que aconteceu logo no início da Volta, em Oliveira de Azeméis. "Ficámos sem combustível porque o Tiago andava a dizer há imenso tempo que tinha de ir por gasóleo... mas nunca punha. Então, reparámos que faltavam 10 quilómetros para terminar o gasóleo", recorda Catarina Camacho. "Começámos a discutir mas os quilómetros iam passando... Procurámos no GPS a bomba mais próxima e - isto é incrível - ficava a oito quilómetros. Foi sempre em ponto morto e ainda me enganei no caminho", acrescenta Tiago, entre gargalhadas.

Catarina Camacho, Mário Augusto e Tiago Góes Ferreira são o rosto visível de um verdadeiro "circo ambulante" de 80 pessoas. Ao longo de 13 dias, a caravana do Há Volta percorreu as cidades-meta da 78ª Volta a Portugal. Foram 2000 quilómetros (medidos no conta-quilómetros do carro de Mário Augusto), ao longo de duas semanas particularmente quentes. Em Braga o mercúrio chegou aos 42 graus durante a emissão. "Este, para mim foi o ano mais quente. Foi também o mais violento, não sei se é por estar mais velho. Em Braga foi terrível, em Macedo de Cavaleiros também foi muito violento. Em Fafe também custou um bocadinho, porque estava muito calor", confessa o jornalista.

O formato de entretenimento Há Volta celebra este ano a sua décima edição. Programa estreou-se em 2007, com a condução de Isabel Figueira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.