"Guerra dos Tronos" e "Veep" voltam a dominar os prémios Emmy

O épico da HBO venceu 12 dos galardões, igualando o recorde atingido pela série, a mais premiada numa só edição, em 2015

A 68.ª edição dos Emmy, os prémios de televisão dos Estados Unidos, premiou no domingo, pelo segundo ano consecutivo, a "Guerra dos Tronos" como melhor série dramática e "Veep" como melhor série cómica.

O épico da HBO, baseado nos livros de George R. R. Martin, venceu 12 dos galardões atribuídos pela Academia Internacional das Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos, igualando o recorde atingido pela série, a mais premiada numa só edição, em 2015.

Por seu lado, "Veep" renovou o 'reinado' na comédia, com o seu segundo Emmy consecutivo, deixando para trás séries como "Black-ish", "Master of None", "Modern Family", "Silicon Valley", "Transparent" e "Unbreakable Kimmy Schmidt".

Nas categorias de interpretação, Rami Malek, o protagonista de "Mr. Robot" emergiu como melhor ator dramático e, num discurso emocionado, agradeceu ao criador da série, Sam Esmail, que disse ser um "verdadeiro visionário".

Tatiana Maslany venceu o Emmy para melhor atriz dramática com "Orphan Black", uma série de que disse estar orgulhosa de fazer parte porque coloca "as mulheres no centro".

Julia Louis-Dreyfus recebeu o seu quinto Emmy consecutivo como melhor atriz de comédia em "Veep" e Jeffrey Tambor repetiu o galardão como melhor intérprete cómico em "Transparent".

"O Caso O. J. Simpson" conquistou a maioria dos prémios na sua categoria, como o de melhor minissérie, melhor ator (Courtney B. Vance), melhor atriz (Sarah Paulson) e melhor ator secundário (Sterling K. Brown).

A 68.ª edição dos prémios Emmy decorreu no teatro Microsoft de Los Angeles e foi apresentada pelo humorista Jimmy Kimmel.

Veja a lista completa de vencedores aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

25 de Abril

"Em Peniche, fechei a boca, nunca disse nada, levei muita pancada"

Esteve para ser entregue a privados, mas o governo voltou atrás e decidiu converter a fortaleza em Museu Nacional da Resistência e da Liberdade. Querem preservar a memória daqueles que por aqui passaram. Foram 2500, sobrevivem 50. Entre eles, José Pedro Soares, que nos guiou pelos corredores estreitos até à sua antiga cela.