"Guerra dos Tronos" e "Veep" voltam a dominar os prémios Emmy

O épico da HBO venceu 12 dos galardões, igualando o recorde atingido pela série, a mais premiada numa só edição, em 2015

A 68.ª edição dos Emmy, os prémios de televisão dos Estados Unidos, premiou no domingo, pelo segundo ano consecutivo, a "Guerra dos Tronos" como melhor série dramática e "Veep" como melhor série cómica.

O épico da HBO, baseado nos livros de George R. R. Martin, venceu 12 dos galardões atribuídos pela Academia Internacional das Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos, igualando o recorde atingido pela série, a mais premiada numa só edição, em 2015.

Por seu lado, "Veep" renovou o 'reinado' na comédia, com o seu segundo Emmy consecutivo, deixando para trás séries como "Black-ish", "Master of None", "Modern Family", "Silicon Valley", "Transparent" e "Unbreakable Kimmy Schmidt".

Nas categorias de interpretação, Rami Malek, o protagonista de "Mr. Robot" emergiu como melhor ator dramático e, num discurso emocionado, agradeceu ao criador da série, Sam Esmail, que disse ser um "verdadeiro visionário".

Tatiana Maslany venceu o Emmy para melhor atriz dramática com "Orphan Black", uma série de que disse estar orgulhosa de fazer parte porque coloca "as mulheres no centro".

Julia Louis-Dreyfus recebeu o seu quinto Emmy consecutivo como melhor atriz de comédia em "Veep" e Jeffrey Tambor repetiu o galardão como melhor intérprete cómico em "Transparent".

"O Caso O. J. Simpson" conquistou a maioria dos prémios na sua categoria, como o de melhor minissérie, melhor ator (Courtney B. Vance), melhor atriz (Sarah Paulson) e melhor ator secundário (Sterling K. Brown).

A 68.ª edição dos prémios Emmy decorreu no teatro Microsoft de Los Angeles e foi apresentada pelo humorista Jimmy Kimmel.

Veja a lista completa de vencedores aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.