"Guerra dos Tronos" e "Veep" voltam a dominar os prémios Emmy

O épico da HBO venceu 12 dos galardões, igualando o recorde atingido pela série, a mais premiada numa só edição, em 2015

A 68.ª edição dos Emmy, os prémios de televisão dos Estados Unidos, premiou no domingo, pelo segundo ano consecutivo, a "Guerra dos Tronos" como melhor série dramática e "Veep" como melhor série cómica.

O épico da HBO, baseado nos livros de George R. R. Martin, venceu 12 dos galardões atribuídos pela Academia Internacional das Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos, igualando o recorde atingido pela série, a mais premiada numa só edição, em 2015.

Por seu lado, "Veep" renovou o 'reinado' na comédia, com o seu segundo Emmy consecutivo, deixando para trás séries como "Black-ish", "Master of None", "Modern Family", "Silicon Valley", "Transparent" e "Unbreakable Kimmy Schmidt".

Nas categorias de interpretação, Rami Malek, o protagonista de "Mr. Robot" emergiu como melhor ator dramático e, num discurso emocionado, agradeceu ao criador da série, Sam Esmail, que disse ser um "verdadeiro visionário".

Tatiana Maslany venceu o Emmy para melhor atriz dramática com "Orphan Black", uma série de que disse estar orgulhosa de fazer parte porque coloca "as mulheres no centro".

Julia Louis-Dreyfus recebeu o seu quinto Emmy consecutivo como melhor atriz de comédia em "Veep" e Jeffrey Tambor repetiu o galardão como melhor intérprete cómico em "Transparent".

"O Caso O. J. Simpson" conquistou a maioria dos prémios na sua categoria, como o de melhor minissérie, melhor ator (Courtney B. Vance), melhor atriz (Sarah Paulson) e melhor ator secundário (Sterling K. Brown).

A 68.ª edição dos prémios Emmy decorreu no teatro Microsoft de Los Angeles e foi apresentada pelo humorista Jimmy Kimmel.

Veja a lista completa de vencedores aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.