Governo reforça: canais públicos que vão para TDT não têm publicidade

Conselho de Ministros já aprovou alargamento da oferta de TDT, que prevê dois canais da RTP sem publicidade e outros dois reservados para os privados

O ministro da Cultura reforçou hoje que já há uma decisão política do Governo de que os dois canais públicos da RTP que vão passar para a Televisão Digital Terrestre (TDT) não vão ter publicidade comercial.

O ministro Luís Filipe de Castro Mendes falou um dia depois do novo adiamento da votação na especialidade do projeto de lei que alarga a oferta na TDT e conta com os contributos do Bloco de Esquerda (BE), PS, PCP e PEV, após a apresentação na sexta-feira de propostas de alteração pelo PSD, uma delas no sentido de que a RTP tenha canais na TDT sem publicidade comercial.

O Conselho de Ministros aprovou a 23 de junho o alargamento da oferta de TDT, que prevê dois canais da RTP, RTP 3 e RTP Memória, sem publicidade e outros dois reservados para os privados, sendo que para estes últimos será lançado concurso.

"O que temos em concreto é uma resolução do Conselho de Ministros que define a abertura de dois canais públicos na TDT, o que temos em curso é um processo legislativo que está na Assembleia da República e que deve ser acompanhado com toda a atenção, mas não podemos esquecer que há já uma decisão política do Governo nessa matéria", disse o governante, à margem da apresentação do estudo Digital News Report, do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo.

Luís Filipe de Castro Mendes quis reforçar ainda que "uma coisa é a decisão política que está tomada, outra coisa é a legislação para o futuro de todos os aspetos que dizem respeito à TDT", afirmando que o poder legislativo está a assumir essa tarefa e que o processo não está terminado.

Quanto às restantes questões que envolvem a TDT, o ministro disse que existem negociações em curso e também não revelou as datas relativas ao concurso público.

"Vamos por fases, primeiro vamos ter os dois canais públicos na TDT e os privados após um processo de concurso", disse.

Durante a sua intervenção na apresentação do estudo Digital News Report, Luís Filipe de castro Mendes falou sobre a importância do serviço público e da sua obrigação de "responder cabalmente" às mudanças de consumo resultantes da transição para o digital.

A este respeito, destacou também o esforço e o investimento que as empresas públicas, como a RTP e a Lusa, assim como as privadas têm feito "no sentido de ir ao encontro dessa nova tendência".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.