Zuckerberg aceitou ser ouvido no Congresso dos EUA

Audição terá lugar a 11 de abril

O fundador do Facebook vai comparecer numa audição na Câmara dos Representantes do Congresso norte-americano a 11 de abril para prestar esclarecimentos na sequência do escândalo que envolve a obtenção de dados pela consultora Cambridge Analytica, foi hoje divulgado.

A confirmação da presença de Mark Zuckerberg, que assume o cargo de presidente executivo da conhecida rede social, foi divulgada pelos legisladores da câmara baixa do Congresso dos Estados Unidos.

A audição está marcada para 11 de abril (próxima quarta-feira) às 10:00 hora local (15:00 hora de Lisboa) na comissão de Comércio e de Energia da Câmara dos Representantes, indicaram o presidente da comissão, o republicano Greg Walden, e um membro democrata da mesma comissão, Frank Pallone.

Os dois representantes esperam que a audição de Mark Zuckerberg "permita aos norte-americanos entenderem melhor o que aconteceu com os respetivos dados pessoais" disponíveis na Internet.

"Apreciamos a disponibilidade de Zuckerberg em testemunhar perante a comissão e esperamos que responda às nossas perguntas no dia 11 de abril", declararam os representantes.

O Facebook está no centro de uma polémica internacional associada com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de 50 milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, nomeadamente nas últimas eleições presidenciais norte-americanas, que ditaram a nomeação de Donald Trump para a Casa Branca, e no referendo sobre o 'Brexit' (processo de saída do Reino Unido da União Europeia).

Esta não será a única oportunidade de Mark Zuckerberg para prestar esclarecimentos sobre este dossiê no Congresso.

O fundador do Facebook foi igualmente convidado a prestar esclarecimentos numa audição na comissão de Justiça do Senado (câmara alta do Congresso), prevista para 10 abril.

Para esse mesmo dia, também foram chamados os presidentes do Twitter e do Google, Jack Dorsey e Sundar Pichai, respetivamente, para falar sobre as falhas de privacidade e partilha de dados.

A participação do presidente executivo do Facebook nesta audição ainda não foi confirmada, mas segundo afirmou a senadora democrata (Califórnia) Dianne Feinstein em declarações ao diário San Francisco Chronicle, Mark Zuckerberg terá concordado também ir ao Senado.

No passado dia 20 de março, os deputados do parlamento britânico também pediram ao criador do Facebook para prestar esclarecimentos, mas a empresa informou que quem iria responder às perguntas dos deputados seria um dos adjuntos de Zuckerberg.

Posteriormente, os deputados britânicos pediram a Mark Zuckerberg para que reconsiderasse a recusa de comparecer no parlamento e deram ao fundador da conhecida rede social um prazo de 12 dias, até 09 de abril, para responder ao pedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.