Facebook notifica utilizadores que tiveram dados partilhados com Cambridge Analytica

Notificações vão aparecer no topo da cronologia

O Facebook vai informar os utilizadores que viram os seus dados serem partilhados indevidamente com a empresa Cambridge Analytica. A notícia é avançada pela BBC News, que adianta que a rede social vai revelar também que aplicações utilizam e a que dados estas têm acesso.

Estas notificações, que vão aparecer no topo da cronologia, não vão ser enviadas apenas para os cerca de 87 milhões de utilizadores afetados, número avançado pela rede social na semana passada. Todos os que tiverem um perfil ativo no Facebook também vão poder receber alertas sobre a importância de gerir as várias aplicações e definições de privacidade.

Numa das mensagens enviadas aos utilizadores, o Facebook informa que baniu o site "This is Your Digital Life", por partilhar dados com a Cambridge Analytica.

A rede social tem estado no centro de umaa polémica internacional com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, favorecendo a campanha de Donald Trump nos EUA e a campanha do Brexit no Reino Unido.

De acordo com fonte oficial da rede social norte-americana, a Cambridge Analytica pode ter acedido a dados de cerca de 63 080 utilizadores do Facebook em Portugal. Em dados partilhados pela empresa, o Facebook confirma que o número de utilizadores que descarregaram a aplicação que terá obtido os dados, a "thisisyourdigitallife", em Portugal rondou os 15. O número de utilizadores potencialmente afetados resulta de "metodologia expansiva" que inclui os que descarregaram a 'app' e respetivos 'amigos'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.