Facebook aposta em ferramenta para encontros amorosos

A gigante tecnológica vai lançar o seu primeiro serviço de encontros amorosos. "Há 200 milhões de pessoas no Facebook que se classificam como solteiras", disse Zuckerberg

O Facebook está a preparar-se para lançar o seu primeiro serviço de encontros amorosos. A informação foi revelada por Mark Zuckerberg, fundador da rede social, em San Jose, na Califórnia, durante a F8, a conferência anual do Facebook.

A rede social vai competir diretamente com as plataformas de encontros online, como o Tinder, mas o conceito irá ser diferente e a ferramenta irá servir para "construir relações reais e de longa duração" e não "encontros casuais", explicou.

"Há 200 milhões de pessoas no Facebook que se classificam como solteiras", referiu Zuckerberg para justificar a novidade.

Depois do anúncio, as ações do Match Group, que detém o Tinder e o OK Cupid, caíram mais de 20% em bolsa.

O novo serviço foi desenvolvido tendo em conta a privacidade e segurança dos utilizadores, garantiu Zuckerberg

Não foi revelada a data do lançamento desta nova aposta, mas o CEO da gigante tecnológica levantou um pouco do véu.

O utilizador vai poder criar um perfil para encontros na aplicação do Facebook, diferente daquele que já tem na rede social. Ou seja, a informação não vai ser visível na feed dos "amigos". Aliás, nada do que fizer com esta ferramenta vai estar acessível aos contactos que tem na rede social.

Depois do perfil criado, a pessoa vai receber informação sobre os perfis de outros utilizadores com interesses e preferências em comum. É possível depois entrar em contacto com a pessoa interessada através de um chat, que é independente do Messenger e do WhatsApp.

De acordo com o Facebook, os perfis dos utilizadores só vão ser sugeridos a pessoas que não são "amigas" no Facebook.

O novo serviço foi desenvolvido tendo em conta a privacidade e segurança dos utilizadores, garantiu Zuckerberg. Os testes a esta nova ferramenta começar no final do ano.

Óculos de realidade virtual

No F8, o Facebook anunciou que os óculos de realidade virtual sem fios Oculus Go já estão à venda a partir dos 199 dólares (165 euros) em 23 países. Em Portugal, estes óculos podem ser comprados a partir do site oficial do Oculus. "É a maneira mais fácil de começar a usar a realidade virtual", disse Mark Zuckerberg.

Novidades no Instagram, WhatsApp e Messenger

Em San Jose, na Califórnia, foi ainda revelado que vai ser possível realizar videochamadas através do Instagram, usar efeitos de realidade aumentada e filtros.

Nos próximos meses, o utilizador do WhatsApp vai poder fazer chamadas de vídeo em grupo e os stickers (figuras animadas) também vão estar disponíveis.

Já no Messenger, vai ser possível escolher a opção de tradução assim que receber uma mensagem numa língua diferente daquela que definiu. Uma funcionalidade que, para já, vai estar só disponível nos EUA, para mensagens em inglês e espanhol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.