Facebook tem ferramenta de privacidade apenas para executivos

A rede social tem um mecanismo que permite ao sistema apagar mensagens privadas do CEO e de outros executivos. A funcionalidade é usada pelo plataforma desde 2014, mas não está disponível para o utilizador comum

Foi em entrevista ao programa The Ezra Klein Show que Mark Zuckerberg confirmou aquilo muitos desconfiavam: o Facebook analisa o conteúdo partilhado em privado da mesma forma que o conteúdo público - descodificando imagens e mensagens através de sistemas informáticos complexos e automatizados.

Assim, segundo o TechCrunch, a rede social apagou algumas mensagens privadas antigas tanto de Mark Zuckerberg como de outros executivos da plataforma, como medida de prevenção para não serem roubadas ou pirateadas. A ferramenta surgiu em 2014.

"Depois de os emails da Sony Pictures terem sido invadidos em 2014, fizemos várias alterações para proteger as comunicações dos nossos executivos. [Essas alterações] incluíam limitar o período de retenção das mensagens do Mark no Messenger. Fizemos isto em total conformidade com as nossas obrigações legais de preservar as mensagens", afirmou o Facebook ao TechCrunch.

Ressalve-se que esta funcionalidade não está disponível aos utilizadores comuns da plataforma que, ao contrário do WhatsApp ou do Instagram, não conseguem apagar uma mensagem depois de ela ter sido enviada. Aliás, podem apagar do seu histórico, mas esta ficará sempre disponível na caixa de entrada do destinatário.

Esta notícia de proteção de privacidade surge na sequência do escândalo do uso indevido de dados pessoais de utilizadores da rede social pela Cambridge Analytica. Zuckerberg admitiu esta semana que podem ter sido afectadas 87 milhões de pessoas. Destas, 63 mil são utilizadores portugueses.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.