Facebook tem ferramenta de privacidade apenas para executivos

A rede social tem um mecanismo que permite ao sistema apagar mensagens privadas do CEO e de outros executivos. A funcionalidade é usada pelo plataforma desde 2014, mas não está disponível para o utilizador comum

Foi em entrevista ao programa The Ezra Klein Show que Mark Zuckerberg confirmou aquilo muitos desconfiavam: o Facebook analisa o conteúdo partilhado em privado da mesma forma que o conteúdo público - descodificando imagens e mensagens através de sistemas informáticos complexos e automatizados.

Assim, segundo o TechCrunch, a rede social apagou algumas mensagens privadas antigas tanto de Mark Zuckerberg como de outros executivos da plataforma, como medida de prevenção para não serem roubadas ou pirateadas. A ferramenta surgiu em 2014.

"Depois de os emails da Sony Pictures terem sido invadidos em 2014, fizemos várias alterações para proteger as comunicações dos nossos executivos. [Essas alterações] incluíam limitar o período de retenção das mensagens do Mark no Messenger. Fizemos isto em total conformidade com as nossas obrigações legais de preservar as mensagens", afirmou o Facebook ao TechCrunch.

Ressalve-se que esta funcionalidade não está disponível aos utilizadores comuns da plataforma que, ao contrário do WhatsApp ou do Instagram, não conseguem apagar uma mensagem depois de ela ter sido enviada. Aliás, podem apagar do seu histórico, mas esta ficará sempre disponível na caixa de entrada do destinatário.

Esta notícia de proteção de privacidade surge na sequência do escândalo do uso indevido de dados pessoais de utilizadores da rede social pela Cambridge Analytica. Zuckerberg admitiu esta semana que podem ter sido afectadas 87 milhões de pessoas. Destas, 63 mil são utilizadores portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.