Ex-porta-voz da Casa Branca aparece de surpresa nos Emmy

O ex-porta-voz da Casa Branca Sean Spicer apareceu hoje de surpresa na 69.ª edição dos prémios Emmy, durante o monólogo inicial da cerimónia realizado por Stephen Colbert.

Colbert preparou a entrada de Spicer ao afirmar que não fazia ideia do número de pessoas que estaria a ver a cerimónia dos prémios Emmy, que distinguem as produções televisivas norte-americanas. Foi então que Spicer surgiu em palco atrás de um pódio -- ao estilo da interpretação de Melissa McCarthy que 'veste' a personagem do ex-porta-voz de Trump no programa "Saturday Night Live".

"Esta será a maior audiência de sempre a ver os Emmys, ponto final, ao vivo e em todo o mundo", disse Spicer.

A frase remeteu para a enorme multidão que Spicer disse ter marcado presença no dia da tomada de posse de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos, a 20 de janeiro deste ano.

"Wow, isso, realmente acalma o meu ego frágil", disse Colbert.

Sean Spicer esteve no centro de várias polémicas e ganhou protagonismo logo na primeira conferência de imprensa da era Trump, um dia depois da tomada de posse.

Diante de uma plateia de jornalistas, Spicer acusou os 'media' de terem mentido, sobre a fraca adesão pública à cerimónia, e garantiu que esta teve a maior assistência de uma tomada de posse "de sempre".

Em sua defesa surgiu entretanto outra figura próxima do círculo de Trump, a conselheira e ex-gestora da campanha presidencial Kellyanne Conway, que afirmou então que Spicer não forneceu informações falsas, mas sim "factos alternativos".

Sean Spicer demitiu-se em 21 de julho, tendo disso substituído pelo financeiro nova-iorquino Anthony Scaramucci, de 53 anos, que esteve pouco mais de uma semana em funções, acabando por ser despedido em 31 de julho.

A atual porta-voz da Casa Branca é Sarah Sanders.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.