Centeno cria conta oficial no Twitter após eleição

Na segunda-feira um internauta havia criado uma conta falsa e divulgara notícias falsas

O presidente eleito do Eurogrupo, o ministro português das Finanças Mário Centeno, abriu uma conta oficial na rede social twitter na sequência da sua eleição para liderar o fórum informal de ministros das Finanças da zona euro.

Centeno, que era um dos ministros que não tinha conta pessoal oficial naquela rede social -- muito utilizada pelos altos responsáveis políticos da União Europeia -, inaugurou a sua "conta oficial do ministro das Finanças de Portugal e presidente eleito do Eurogrupo" com uma mensagem publicada na terça-feira à noite, cerca de 24 horas após a sua eleição.

"É uma honra ser o próximo presidente do Eurogrupo. O meu compromisso é conduzir a discussão para alcançar o consenso necessário à construção de uma UEM [União Económica Monetária] com um quadro institucional mais resiliente, promovendo a convergência económica e indo ao encontro das expectativas dos cidadãos", escreveu Centeno na sua primeira (dupla) mensagem (com versão em inglês e em português).

Hoje de manhã, o presidente eleito do Eurogrupo já contava com perto de meio milhar de seguidores na sua conta, que pode ser seguida em "@mariofcenteno".

Esta segunda-feira, pouco antes da eleição para o Eurogrupo, um internauta havia criado uma conta falsa em nome de Centeno e havia mesmo publicado uma mensagem que dava conta da morte de Christine Lagarde, diretora-geral do FMI. Tanto o Eurogrupo como o FMI desmentiram a notícia e pediram ajuda para denunciar aquela conta.

Mário Centeno venceu na segunda-feira a corrida à liderança do Eurogrupo, ao impor-se na segunda volta da votação realizada na reunião dos ministros do euro em Bruxelas.

Após ter sido o mais votado na primeira volta, mas sem maioria simples, o ministro das Finanças português impôs-se ao candidato luxemburguês Pierre Gramegna na segunda volta, tornando-se assim o terceiro presidente da história do fórum de ministros das Finanças da zona euro, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker e do holandês Jeroen Dijsselbloem.

Mário Centeno iniciará funções em 13 de janeiro, data do final do mandato de Dijsselbloem, e presidirá pela primeira vez a uma reunião do Eurogrupo no dia 22 do mesmo mês, em Bruxelas.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.