Foi a estreia de Marisa na TVI. E perdeu para a SIC

O "Jornal das 8" deste sábado teve menos 119 mil espectadores do que o "Jornal da Noite"

Na noite em que Marisa Matias se estreou como a nova comentadora da TVI, o Jornal das 8 perdeu para o Jornal da Noite, da SIC, este sábado. O noticiário conduzido por José Alberto Carvalho foi acompanhado por uma média de 1,052 milhões de espectadores, menos 119 mil pessoas do que aquelas que preferiram ver o espaço de informação de Carnaxide.

O Jornal das 8 ainda esteve à frente do Jornal da Noite nos seus primeiros 30 minutos, mas durante o espaço de comentário da ex-candidata presidencial do Bloco de Esquerda, na última meia hora, a SIC esteve sempre em vantagem.

O canal de Queluz de Baixo anunciou na sexta-feira a eurodeputada como a nova comentadora do canal, com Simplesmente Marisa. "Marisa Matias é a nova voz que marca presença semanal na TVI e na TVI24. Aos sábados, no Jornal das 8, a deputada europeia e ex-candidata presidencial do Bloco de Esquerda partilha a sua opinião sobre o país e o mundo", anunciou a TVI em comunicado oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.