Emmys 2016: começou a corrida às nomeações

"The Good Wife", "A Guerra dos Tronos", "Mr. Robot" e "Unbreakable Kimmy Schmidt" estão entre os candidatos aos mais prestigiados galardões da indústria televisiva norte-americana

As nomeações para a 68ª edição dos mais importantes prémios da indústria televisiva norte-americana serão anunciados a 14 de julho mas já se afiguram no horizonte os possíveis candidatos. E porque é que os primeiros dias de junho são tão importantes? Terminou a 31 de maio o chamado "período de elegibilidade". Ou seja, para um programa poder ser apresentado a candidatura, tem de ter sido exibido entre 1 de junho de 2015 e 31 de maio deste ano.

E se já é certo que Jimmy Kimmel será o anfitrião da edição deste ano dos prémios da Academia Nacional de Artes e Ciências Televisivas, a 18 de setembro na ABC, os palpites sobre os nomeados nas principais categorias dividem-se. Este poderá ser, finalmente, o ano da consagração de The Good Wife. A série protagonizada por Julianna Marguiles, cuja sétima (e última) temporada terminou esta quarta-feira, é uma forte candidata ao Emmy de Melhor Série Dramática. Mais terá, por certo, a concorrência de Mr. Robot, da USA Network, uma das revelações desta temporada, e também da super-poderosa A Guerra dos Tronos, forte candidata com a sexta temporada.

Na comédia, o regresso da veterana, Uma Família Muito Moderna (cuja sétima temporada estreia a 9 de junho em Portugal, no Fox Comedy). A série da ABC não terá vida fácil porque Veep, protagonizada por Julia Louis-Dreyfus, e A Teoria do Big Bang também são elegíveis este ano. A grande revelação no humor (e uma forte candidata) é Unbreakable Kimmy Schmidt, a colorida produção da Netflix protagonizada por Ellie Kemper e produzida por Tina Fey que conta a história de uma jovem que, ao fim de 15 anos de cativeiro às mãos de um líder de uma seita, se muda para Nova Iorque.

Na categoria de Melhor Ator Dramático prevê-se uma batalha entre séniores e novatos: Kevin Spacey (House of Cards) e Bob Odenkirk (Better Call Saul) poderão acumular nomeações, mas deverão ser acompanhados de Rami Malek (Mr. Robot), que poderá ter este ano a sua primeira nomeação nos Emmys, e também de Wagner Moura, o ator brasileiro que se transfigurou para dar vida ao traficante Pablo Escobar em Narcos.

Na comédia, espera-se que Jim Parsons (A Teoria do Big Bang) seja nomeado, depois de, no ano passado, ter sido injustamente preterido. Entre os mais novos, Aziz Ansari (Master of None), atual menino querido da comédia nos Estados Unidos, também é um forte candidato. Entre as atrizes, a competição será maior do que nunca. Nomes como Claire Danes (Segurança Nacional), Robyn Wright (House of Cards) e Taraji P. Henson (Empire) irão certamente disputar o prémio.

Mas Vera Farmiga (Bates Motel) e Lizzy Caplan (Master of Sex) também são fortes candidatas. No humor, a dúvida: manter-se-há o hype em torno da histriónica Amy Schumer? Irá Julia Louis-Dreyfus continuar a acumular Emmys? Ou irá a Academia premiar o regresso de Lily Tomlin aos grandes papéis, em Grace e Frankie? A resposta chega a 14 de julho, dia em que são revelados os nomeados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.