Emilia Clarke explica porque recusou duplo para nudez frontal

A atriz tem apelado a uma maior igualdade de cenas de nudez explícita entre homens e mulheres na série "A Guerra dos Tronos"

À semelhança do que já tinha acontecido em temporadas anteriores, a atriz britânica Emilia Clarke voltou a despir-se no episódio da semana passada de A Guerra dos Tronos. Convidada de Stephen Colbert no Late Show de segunda-feira à noite, Clarke explicou porque não quis usar um duplo para gravar a recente cena de nudez frontal de Daenerys Targaryen, a personagem que interpreta, e que fechou o episódio da popular série de drama e fantasia.

"Há muitas razões que levariam vários atores a usar um duplo para esta cena. Eu fi-lo [nu frontal] na primeira temporada e as pessoas gostam de falar sobre isso. Desta vez quis fazer uma cena poderosa que não fosse sexual. Tinha nudez, mas era uma cena poderosa. Estou a destroná-los estando nua. Se consegues fazer isso sem qualquer tipo de roupa, és uma durona", explicou a atriz no programa.

Depois de ter expressado em várias entrevistas que deveriam existir mais cenas com nudez masculina explícita na série, exibida em Portugal no Syfy às segundas-feiras, Emilia Clarke mostrou-se satisfeita por isso ter acontecido no mais recente episódio. "Eu faço-o. Porque é que os rapazes no elenco também não o podem fazer? Acho que ouviram o que disse. E isso mostra igualdade", frisou Clarke.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.