Dominic Purcell de "Prison Break" vai estar na Comic Con Portugal

Segundo o comunicado divulgado pela organização, a presença do ator está confirmada nos dias 16 e 17 de dezembro

O ator Dominic Purcell, o Licoln Burrows da série de televisão "Prison Break", vai marcar presença na edição deste ano da Comic Con Portugal, que decorre de 14 a 17 de dezembro em Matosinhos, foi anunciado esta sexta-feira.

"Dominic Purcell, que conta com uma carreira preenchida de incríveis trabalhos, está confirmado para a área de Cinema & TV marcando presença na Comic Con Portugal 2017 nos dias 16 e 17 de dezembro", refere a organização da iniciativa, num comunicado hoje divulgado.

O ator, com mais de 20 anos de carreira, integra o elenco da série norte-americana "Prison Break", que regressou aos ecrãs de televisão em abril, oito anos depois de ter terminado. "Prison Break" estreou-se em 2005 e terminou em 2009, ao fim de quatro temporadas seguidas por um episódio especial de uma hora e meia - "Prison Break: The Final Break".

Em janeiro de 2016, a cadeia norte-americana FOX anunciou que "Prison Break" iria regressar no formato 'event series' (duração limitada), com nove episódios.

Inicialmente, "Prison Break" girava em torno de Lincoln Burrows (Dominic Purcell), condenado à morte suspeito de ter assassinado o irmão do vice-presidente dos Estados Unidos, e do seu irmão, Michael Scofield (Wentworth Miller), um engenheiro civil que cria um plano para resgatar Lincoln da prisão.

Além disso, Dominic Purcell é Mick Rory/Heat Wave nas séries "The Flash" (estreada em 2014) e "Legends of Tomorrow" (estreada em 2016), ambas baseadas em personagens da DC Comics.

A organização da Comic Com Portugal tinha já anunciado a presença na iniciativa do ator norte-americano Edward James Olmos, conhecido pelo seu papel de comandante William Adama em "Battlestar Galactica", e que também participou em séries como "Miami Vice" e "Dexter", e dos autores Hermann e Andrzej Sapkowski e do ilustrador Rafael Albuquerque.

O ilustrador brasileiro Rafael Albuquerque é o autor da série de banda desenhada "American Vampire", trabalho que lhe valeu um prémio Eisner e um Harvey, em 2011.

Por seu lado, Hermann é um ilustrador e escritor belga, autor da série de banda desenhada pós-apocalíptica "Jeremiah", que mais tarde foi adaptada para uma série televisiva.

Por último, o escritor polaco de fantasia Sapkowski é mais conhecido por ter sido o criador da série "The Witcher", que deu origem a um videojogo de popularidade global e que está em vias de ser adaptada à televisão pela Netflix.

Para este ano foram também já reveladas novidades nos bilhetes, com a criação da modalidade "Kids Go Free" (por cada bilhete de adulto será disponibilizado um bilhete para crianças até aos 12 anos), a oferta de um bilhete por cada dez comprados em simultâneo e a oferta de um desconto no bilhete diário, no caso da doação de um livro, "a ser distribuído por escolas e/ou instituições".

A Comic Con Portugal, que decorre na Exponor, em Matosinhos, realiza este ano a sua quarta edição, tendo contado com perto de 73 mil visitantes, em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.