DN líder absoluto entre os títulos de referência online 

Global Media Group reforça a sua posição de líder com as maiores audiências digitais em Portugal. À liderança em visitas o DN soma agora a de páginas vistas

A edição online do Diário de Notícias junta agora à liderança em visitas (12,9 milhões) o primeiro lugar em páginas vistas (45,2 milhões) nos títulos de referência, à frente do Público (11,3 milhões e 44,4 milhões, respetivamente), e do Expresso (8,7 milhões e 31,1 milhões, respetivamente).

Nos dados divulgados pelo Netscope referentes a janeiro, a liderança é ainda mais expressiva quando se analisam os acessos e o consumo via mobile. Quer em visitas quer em páginas vistas (8,3 milhões e 19,3 milhões, respetivamente) o DN reforça a sua posição de líder nas marcas de referência distanciando-se, nomeadamente, do Público (5,9 milhões e 14,1 milhões) e do Expresso (4,9 milhões e 11,3 milhões ).

Desde janeiro do ano passado que o DN vinha consolidando a sua liderança nas visitas e aproximando-se do lugar de topo em páginas visualizadas. A chegada à liderança total é agora assinalada nos dados Netscope - medição da Marktest de referência no setor - de janeiro.

As marcas de informação do Global Media Group continuam a ser a primeira preferência do público para ler notícias e outros conteúdos nas plataformas digitais.

O Ranking Netscope de janeiro coloca o grupo detentor dos títulos Jornal de Notícias, Diário de Notícias, O Jogo e TSF entre várias outras marcas de informação, numa consecutiva liderança em termos absolutos do ranking nacional.

O grupo lidera assim pelo oitavo mês consecutivo, com 67,9 milhões de visitas totais, um crescimento de 18% face ao mês anterior, valor que constitui o seu novo recorde absoluto neste indicador. Também nas páginas vistas, o grupo estabelece um novo patamar ao apresentar 328 milhões de page views.

A liderança absoluta continua também a fazer-se nos acessos mobile tanto em visitas (47,6 milhões) como em páginas vistas (167,7 milhões). No mês de janeiro, o Jornal de Notícias renovou a liderança do segmento de informação geral, com 23,4 milhões de visitas, à frente do Correio da Manhã (23,2 milhões).

Já entre as marcas desportivas, O Jogo conquista um dos melhores resultados de sempre ao alcançar 18,2 milhões de visitas e 111,8 milhões de páginas vistas, ganhando assim quota de mercado neste segmento.

A marca de informação económica do grupo, o Dinheiro Vivo, bateu o seu recorde absoluto com 3,4 milhões de visitas, sendo o site económico com mais páginas vistas em acessos mobile (6,7 milhões), à frente do Económico (5,6 milhões) e do Negócios (5,0 milhões).

A marca de informação de rádio do grupo, TSF, registou 2,4 milhões de visitas, um dos seus melhores resultados de sempre.

O site Delas mantém a liderança no segmento de marcas femininas (em que se incluem as marcas com longa presença no mercado como Activa, Máxima, Vogue ou Cosmopolitan), registando no mês de janeiro 2,4 milhões visitas e 16,2 milhões de páginas vistas, apresentando a segunda marca deste segmento - a Activa - 1,4 milhões de visitas e 4,6 milhões de páginas vistas.

A mais recente novidade do grupo, Motor 24, lançada em novembro de 2016, voltou a liderar no seu segmento pelo segundo mês consecutivo, com 1,6 milhões de visitas e 7,0 milhões de páginas vistas, à frente do segundo deste segmento, a Autohoje (1,4 milhões e 4,5 milhões, respetivamente).

Os sites das marcas de lifestyle do Global Media Group continuam a apresentar um crescimento consistente e sustentado: a Volta ao Mundo regista 7,6 milhões de páginas vistas e 0,8 milhões de visitas; a Evasões 6,9 milhões de páginas vistas e 0,7 milhões de visitas e a Notícias Magazine 2,5 milhões de páginas vistas e 0,6 milhões de visitas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.