DN celebra aniversário sem diretor convidado

Edição do 153.º aniversário do Diário de Notícias esta sexta-feira nas bancas

O Diário de Notícias celebra 153 anos de vida na sexta-feira. Em muitos dos aniversários convidámos personalidades da vida política e económica para assumirem o papel de diretores convidados nessa edição. Desta vez convidámos Miguel Frasquilho, chairman da TAP, mas, no entretanto, o ex-presidente da AICEP foi notícia no jornal Expresso por causa de uns pagamentos a familiares seus através do chamado "saco azul" do GES. Frasquilho respondeu ao semanário e pediu à Autoridade Tributária uma auditoria para saber se tem, ou não, a sua situação fiscal regularizada.

A edição de aniversário do DN está sempre muito centrada na previsão do que vai ser o próximo ano. Publica o outlook do Economist, artigos de opinião de grandes personalidades internacionais, mais a opinião dos comentadores habituais do jornal e, ainda, o trabalho de jornalistas do DN sobre o que importa acompanhar no ano seguinte, em Portugal e no mundo. Por ser esta a matriz dos aniversários do DN, entendemos, nós e Miguel Frasquilho, que não fazia sentido manter esta parceria, para não tornar secundário o que é essencial.

O chairman da TAP chegou a reunir com os editores do DN para pensar nos grandes temas que importava tratar, como sejam a relevância da China e da Coreia do Norte nas relações dos Estados Unidos com a Ásia, o papel de Centeno no Eurogrupo, a prestação de Portugal no Mundial de Futebol ou o Festival da Eurovisão em Portugal, entre muitos outros. A partir do momento em que o diretor convidado passou a ser notícia por uma situação particular, entendemos ambos que não fazia sentido secundarizar o aniversário do DN e o outlook para 2018.

A Miguel Frasquilho, que aceitou da mesma forma o convite como aceitou a desvinculação, o Diário de Notícias agradece. A edição de 29 de dezembro, celebrando 153 anos de vida, estará nas bancas com 96 páginas, olhando para o passado, tentado perceber o que o futuro nos reserva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.