DN à frente na informação de referência, Global Media com liderança absoluta

O Diário de Notícias mantém-se como a marca de informação de referência mais procurada - 14 milhões de visitas -, à frente dos sites dos concorrentes diário Público (12,1 milhões) e semanário Expresso (11 milhões).

Mais leitores, mais páginas consultadas e maior fidelização. Os resultados do Netscope referentes ao mês de junho revelam que cada vez mais pessoas procuram os conteúdos que o Global Media Group (GMG) tem para oferecer. Incluindo o Diário de Notícias, que na sua edição digital se mantém como a marca de informação de referência mais procurada - 14 milhões de visitas -, à frente dos sites dos concorrentes diário Público (12,1 milhões) e semanário Expresso (11 milhões).

A liderança do Diário de Notícias, que garante neste mês a segunda melhor marca alguma vez atingida, estende-se particularmente aos acessos mobile, com 9,7 milhões de leitores a chegarem ao DN através de tablets e smartphones, à frente dos valores atingidos pelo Expresso e pelo Público (respetivamente 7,4 e 6,8 milhões).

No que respeita ao grupo dono deste diário, teve mesmo a melhor performance de sempre, com o conjunto das audiências digitais das suas marcas de informação a baterem quer o recorde de leitores, com 72,7 milhões de visitas registadas em junho, quer o de pageviews, contando-se mais de 373 milhões de páginas vistas entre os títulos do Global Media Group, sobretudo com origem em plataformas mobile. Com estes resultados, para além da liderança do ranking de audiências medido em visitas que se repete pelo 14º mês consecutivo, o GMG passa igualmente a liderar o ranking de pageviews, atingindo assim a liderança absoluta pela primeira vez.

"Tem sido um caminho entusiasmante, difícil mas muito recompensador, como estes resultados agora conhecidos podem ajudar a perceber", reagiu o chief operations officer do grupo, José Carlos Lourenço. "Temos a consciência, no Global Media Group, que ao atingir a liderança absoluta do mercado digital - tanto em visitas, como em pageviews - elevámos a um patamar ainda mais importante e exigente a execução da nossa estratégia digital e de negócio", acrescentou o responsável. E concretizou: "Consolidámos marcas líderes", como o DN, o JN, a TSF, O Jogo ou o Dinheiro Vivo, entre outras, "e aproveitando oportunidades de mercado lançámos marcas novas", incluindo Delas, Motor 24, N-TV e a edição digital da Volta ao Mundo. "E o resultado de toda esta dinâmica tem sido francamente positivo", conclui.

Mas o trabalho não está concluído, lembra José Carlos Lourenço: "Queremos sempre mais, pelo que o compromisso é continuar a inovar e fazer sempre melhor."

Marcas do grupo batem recordes

Para o números atingidos pelo Global Media Group no Netscope de junho contribuíram várias marcas. Além da marca conseguida pelo Diário de Notícias, o Jornal de Notícias estabeleceu um novo recorde de visitas online, com 24 milhões - sendo já líder em pageviews no mobile entre as marcas de informação geral com cerca de 70,4 milhões de páginas vistas a partir de tablet ou smartphone - e a rádio TSF renovou o seu máximo fixando-se nos 2,5 milhões de visitas e 9,1 milhões de pageviews, nesse mesmo período. Quanto ao diário desportivo do grupo e segundo maior site em audiências, O Jogo somou 20,6 milhões de visitas e cerca de 120,9 milhões de pageviews, consolida o caminho de crescimento de quota de mercado que tem caracterizado a evolução da marca. A marca de informação económica do grupo, Dinheiro Vivo, registou 2 milhões de visitas e 10,7 milhões de páginas vistas.

Revistas e novidades

Também noutras divisões os números ajudaram a consolidar a liderança do GMG. A estrear-se no ranking da Netscope, o mais recente projeto do Global Media Group, a N-TV, conseguiu 1,3 milhões de visitas e 9 milhões de pageviews, enquanto o Delas - publicação digital que aposta no segmento feminino onde se incluem marcas como a Activa, Máxima, Vogue ou Cosmopolitan - continua o seu percurso de crescimento, reforçando a liderança no segmento de marcas femininas com 2,7 milhões de visitas e 19,3 milhões de páginas vistas.

No segmento automóvel, a marca Motor 24, assegura a liderança conquistada desde o mês de lançamento, com 1,5 milhões de visitas e 10,6 milhões de pageviews, distanciando-se cada vez mais do segundo player deste segmento, a Autohoje (1,2 e 3,6 milhões, respetivamente).

Por último, os sites das revistas do Global Media Group continuam a apresentar um crescimento consistente e sustentado: a Volta ao Mundo regista 8,8 milhões de páginas vistas e 0,8 milhões de visitas; a Evasões atingiu 9,7 milhões de pageviews e 0,9 milhões de visitas e a Notícias Magazine alcançou 4,8 milhões de páginas vistas e 0,8 milhões de visitas neste mês de junho.

Sabendo que os resultados alcançados são fruto da preferência dos nossos leitores, a todos agradecemos o interesse, esperando continuar a exceder as expectativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.