Divulgado testemunho que Mark Zuckerberg vai ler quarta-feira no Senado

O fundador do Facebook vai ser ouvido dia 11 na comissão parlamentar do Congresso na sequência do escândalo Cambridge Analytica. Saiba o que ele vai dizer

É apenas na quarta-feira, dia 11, que Mark Zuckerberg vai ser ouvido pela comissão parlamentar do Congresso dos Estados Unidos sobre o uso de dados privados de forma indevida pela Cambridge Analytica para questões políticas, que tem sujado a imagem do Facebook.

Apesar da audiência ainda não se ter realizado, o CEO da rede social já apresentou o seu depoimento, que foi esta segunda-feira liberado pelo Comité de Energia e Comércio da Câmara dos Deputados dos EUA e que poderá ser lido na integra aqui.

Depois de ler o testemunho, Zuckerberg responderá a perguntas dos parlamentares.

O mais importante é o facto de Zuckerberg admitir que não foi feito o suficiente no que diz respeito à salvaguarda das privacidades dos utilizadores da rede social.

"Está claro que não fizemos o suficiente para evitar que ferramentas nossas fossem usadas também para causar danos. Isso vale para notícias falsas, interferência estrangeira em eleições e discursos de ódio, bem como a proteção da privacidade de dados."

Por não ter conseguido antever os ataques, o fundador do Facebook pede publicamente desculpas.

Não tivemos uma visão ampla da nossa responsabilidade, e isso foi um grande erro. Foi meu erro e sinto muito.

Zuckerberg também foi convidado a comparecer perante uma audiência conjunta dos Comités de Justiça e Comércio do Senado dos EUA esta terça-feira.

O escândalo Cambridge Analytica

A Cambridge Analytica usou um dispositivo do próprio Facebook - entretanto já desativado - para explorar dados de 87 milhões de utilizadores da rede social. Só em Portugal estima-se que a privacidade de 63 mil tenha sido violada.

A empresa de marketing digital usou essas informações para construir algoritmos capazes de traçar o comportamento eleitoral de norte-americanos durante a campanha presidencial de 2016.

Assim, esta falha de privacidade do Facebook terá ajudado Donald Trump a ser eleito nos EUA e o sim ao Brexit a vencer em Inglaterra.

Depois do escândalo, o CEO é perentório:

"Não basta apenas conectar pessoas, temos que garantir que essas conexões sejam positivas. Não basta só dar voz às pessoas, precisamos garantir que as pessoas não as usem para prejudicar as outras ou divulgar informações erradas. Não é o suficiente dar às pessoas o controle de suas informações. Temos que garantir que os desenvolvedores também protegem essas informações."

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.