Diversidade e heroínas estão a matar vendas da Marvel, diz responsável

Responsável de vendas diz que leitores rejeitaram as personagens femininas e de minorias étnicas

O vice-presidente de vendas da Marvel disse que o esforço do estúdio para aumentar a diversidade e o número de personagens femininas nos livros de banda desenhada tem provocado uma contínua queda nas vendas desde outubro.

David Gabriel disse que os leitores "não querem mais diversidade" nem "personagens femininas".

A Marvel tem apostado em novas personagens que representam maiores setores da sociedade. Nos últimos anos apresentou Jane Foster, a nova Thor; Riri Williams, a adolescente negra que substituirá o Homem de Ferro; Miles Morales, o adolescente hispânico que será o novo Homem-Aranha e Kamala Khan, a adolescente muçulmana que é a nova Miss Marvel.

A intenção da empresa é boa mas, conforme David Gabriel disse numa reunião com representantes da marca e de outras bandas desenhadas na semana passada, os fãs preferem as personagens clássicas e têm rejeitado as novas histórias e as novas personagens.

"O que ouvimos [dos revendedores] é que as pessoas não querem mais diversidade. Não querem personagens femininas", disse David Gabriel, segundo o ICv2. "Foi o que ouvimos, quer acreditemos quer não".

As pessoas não querem mais diversidade

As declarações de David Gabriel geraram alguma controvérsia nas redes sociais e os utilizadores listaram outros motivos para deixarem de comprar a banda desenhada.

Nas listas aparecem, por exemplo, pontos como o preço dos livros, a falta de novas narrativas - apenas repetição das antigas com novas personagens -, o rumo que algumas histórias tomaram, e o facto de a Marvel sobrecarregar os leitores com vários títulos e sagas.

Num comunicado divulgado mais tarde, segundo o The Guardian, David Gabriel recuou e afirmou que, apesar de alguns sentirem que as principais personagens da Marvel estão a ser abandonadas, há muitos novos leitores que parecem gostar da Miss Marvel e Miles Morales.

Deixem-se ser claro: os nossos novos heróis não vão a lado nenhum

"Estamos orgulhosos e felizes por continuarmos a apresentar personagens únicas que refletem novas vozes e novas experiências no universo Marvel e equiparam-nas a ícones heroicos", continuou.

Um revendedor da Marvel disse à ICv2 que as novas histórias podem não vender tanto com as das personagens clássicas, mas pelo menos têm atraído "uma demografia diferente" e novos públicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.