Deco vai reunir com Facebook

Em causa a política de proteção de dados da empresa de Mark Zuckerberg

A associação Deco Proteste, e congéneres da Bélgica, Espanha, Itália e Brasil, reúnem-se na quarta-feira com responsáveis do Facebook numa tentativa de encontrar compromissos de proteção dos dados pessoais dos consumidores, informou a associação.

Este encontro surge depois de a imprensa ter divulgado que a rede social Facebook terá facilitado o acesso a dados pessoais de milhões de utilizares, que acabaram por ser usados para influenciar eleições presidenciais, nomeadamente.

"Confirmada a existência de utilizadores afetados nos seus países, estas organizações de consumidores pretendem com esta reunião exigir que o Facebook explique, que medidas irá tomar para eliminar as consequências e os riscos para os utilizadores afetados", afirma a Deco Proteste em comunicado divulgado.

A associação de defesa dos direitos do consumidor defende que os utilizadores lesados sejam compensados por aquele uso indevido dos dados e que, no futuro, seja garantida "a correta aplicação e o respeito pelos direitos" dos consumidores.

"Não aceitamos que a tecnologia criada para expandir a liberdade, evolua para um sistema que coage e controla", defende a Deco Proteste, alertando as autoridades nacionais e internacionais para a necessidade de vigiar atentamente "as empresas que fazem da monetização dos dados dos consumidores o seu negócio".

Nesse sentido, a Deco Proteste diz ter feito chegar as suas preocupações à Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD).

O fundador do Facebook Mark Zuckerberg começa hoje a prestar esclarecimentos no Congresso dos Estados Unidos sobre o escândalo que envolve a obtenção de dados de utilizadores daquela reconhecida rede social pela consultora Cambridge Analytica.

Zuckerberg, que assume o cargo de presidente executivo da conhecida rede social, vai ser hoje ouvido na comissão de Justiça do Senado (câmara alta do Congresso). Na quarta-feira será a vez do fundador do Facebook prestar esclarecimentos na comissão de Comércio e de Energia da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso).

O Facebook está no centro de uma polémica internacional associada com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de milhões de utilizadores daquela rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, nomeadamente nas últimas eleições presidenciais norte-americanas, que ditaram a nomeação de Donald Trump para a Casa Branca, e no referendo sobre o 'Brexit' (processo de saída do Reino Unido da União Europeia).

Inicialmente foi avançado que o número de utilizadores afetado rondava os 50 milhões. Dias mais tarde, o Facebook admitiu que o número ascendia aos 87 milhões de utilizadores.

Na véspera do início destas audições no Congresso norte-americano, as agências internacionais citaram um texto no qual Mark Zuckerberg assume que foi um "erro pessoal" ao não ter feito o suficiente para combater os abusos que afetaram a rede social, lançada em 2004.

"Não fizemos o suficiente para impedir que estas ferramentas fossem mal utilizadas (...). Não tomámos uma medida suficientemente grande perante as nossas responsabilidades e foi um grande erro. Foi um erro meu e peço desculpa", segundo o texto que Zuckerberg irá transmitir ao Congresso, citado pelas agências internacionais.

Na sequência deste escândalo, outros órgãos nacionais e internacionais solicitaram a presença de Mark Zuckerberg para prestar esclarecimentos. Foi o caso do Parlamento Europeu e do Parlamento do Reino Unido. Nos dois casos, o convite foi, até à data, recusado.

Na sexta-feira, a Comissão Europeia afirmou ter tido indicações do Facebook que dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia poderiam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica.

Em Portugal, o número de utilizadores afetados poderá rondar os 63.080.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.