Consumo no YouTube atinge mil milhões de horas diárias

A plataforma de partilha e visionamento de vídeos YouTube divulgou novos dados sobre os seus consumidores: em 2016, foram vistas uma média de mil milhões de horas de conteúdos por dia.

O YouTube analisou a forma como os seus utilizadores usam a plataforma de uma perspetiva incomum: em vez de olhar para o número de visualizações dos seus vídeos, contou as horas que os internautas passam a vê-los. O resultado foi divulgado esta semana.

De acordo com o blogue oficial da plataforma, em 2016 foram dedicadas à visualização de vídeos, em média e por cada dia, qualquer coisa como mil milhões de horas, à escala global. "Se estivesse sentado a assistir a mil milhões de horas no YouTube, demoraria mais de cem mil anos [a terminar]", exemplifica o site no comunicado.

"Em todo o mundo, as pessoas passam mil milhões de horas a matar a sua curiosidade, a descobrir grandes músicas, a informarem-se, a manterem contacto com as suas personalidades favoritas, a ficar a par das tendências mais recentes", acrescenta o YouTube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.