Comoventes, nostálgicos, ou só parvos. Veja os 10 melhores anúncios deste Natal

Já viu o velhinho na Lua da John Lewis e o comovente anúncio da Edeka. Mas já viu algum destes?

No Natal, as marcas aproveitam o pretexto para esbanjar tudo em anúncios que parecem pequenos filmes. Talvez já tenha visto alguns dos anúncios mais comoventes deste Natal, como o da marca alemã Edeka, ou o da britânica John Lewis. Se não tiver visto, pode vê-los aqui.

Mas esta lista não se fica pelos anúncios mais emocionais. Veja uma seleção dos melhores anúncios deste Natal, alguns dos quais não fogem à parvoíce.

1. Canal+ - Le Phacochère

Este anúncio da cadeia televisiva francesa Canal+ tem um slogan simples: "Não dê um presente de que se vai arrepender". O nome, O Javali, dá uma pequena pista acerca do tema.

2. Mulberry - Mulberry Miracle

Numa noite de Natal, uma mulher recebe do namorado uma mala da Mulberry. O presente resulta numa série de visitas inesperadas,

3. Coach - Give Coach or Else

Outra mala mas, desta vez, menos pacífica. Em Give Coach or Else, o único presente possível é uma mala da Coach. Caso contrário, haverá consequências.

4. Coca-Cola - Uma ponte para Noel

No Brasil, a Coca-Cola aproveitou a quadra para criar um comovente anúncio que é uma curta-metragem, realizada por Fernando Grostein. Um menino teme não receber uma visita do Pai Natal porque a ponte da aldeia está fechada. O anúncio ressuscita a imagem clássica dos camiões luminosos da Coca-Cola.

5. Norton - Santa Got Hacked

"O Pai Natal foi pirateado". O computador do Pai Natal tem um vírus e agora a lista de quem se portou bem e mal desapareceu. Torna-se impossível recuperar o ficheiro da lista dos bonzinhos e mauzinhos ("Se tivesse instalado um antivírus como lhe disse...", ou não fosse um anúncio da Norton), então o Pai Natal decide dar presentes a todos os meninos.

6. Sainsbury's - Mog's Christmas Calamity

A gatinha Mog já é conhecida dos britânicos e foi a estrela do anúncio da cadeia de supermercados Sainsbury's deste ano. Quando Mog tem um pequeno acidente que acaba por resultar numa grande calamidade, parece que já não vai haver Natal para a família. Mas a comunidade junta-se para os ajudar.

7. O Boticário - Natal

"São já 50 natais juntos". O anúncio brasileiro da empresa de cosméticos O Boticário parece previsível, mas tem uma surpresa no final.

8. Burberry - 15 Years of Billy Elliot

A Burberry aproveitou o Natal para aludir aos 15 anos do filme Billy Elliot, a marcante história de um menino de 11 anos que quer dançar, contra todos os estereótipos opressivos da pequena cidade conservadora em que vive. 15 anos depois, a Burberry recria a cena de abertura do filme, mas com celebridades, entre elas Naomi Campbell.

9. Vodafone - O melhor acontece quando nos unimos

Talvez já tenha visto o anúncio da Vodafone deste Natal. Dois irmãos querem passar o Natal em família e arranjam um plano para juntar os pais divorciados por uma noite.

10. Kit Kat - Have a Christmas Break

Farto de tanta lamechice natalícia? Tem sempre o anúncio da Kit Kat. "Ah. Bem-vindo a nada", diz uma voz. "Nem um sininho nem floco de neve nem celebridade a vender perú". Tire um bocadinho para descansar da loucura dos anúncios de Natal com o "nada" da marca de chocolates.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.