Como Trump afastou Ewan McGregor de Piers Morgan

O ator desistiu de marcar presença no programa do jornalista. Seguiu-se um bate boca no Twitter

Ewan McGregor tinha aceitado estar presente na edição desta terça-feira do programa Good Morning Britain, do canal ITV, para falar sobre Trainspotting 2, a sequela da longa-metragem de sucesso que Danny Boyle realizou em 1996. No entanto, o ator recuou na decisão quando percebeu, contou no seu perfil oficial de Twitter, que quem conduz o formato é Piers Morgan.

"Eu ia ao Good Morning Britain, mas sem perceber que Piers Morgan é o apresentador. Não vou estar com ele depois dos comentários que fez sobre a Marcha das Mulheres", explicou.

McGregor referia-se aos tweets do jornalista que contestaram o protesto da passada sexta-feira, no dia da tomada de posse de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos.

A resposta não se fez esperar. Ou as respostas. A primeira surgiu durante a emissão do programa em direto. "Só porque eu não achei que a marcha foi uma coisa fantástica e não concordei com ela, Ewan McGregor, que é um ator e que estaria aqui para falar sobre um filme, decidiu que não viria falar sobre esse filme. Acho que é uma vergonha", disse Piers Morgan.

O apresentador prosseguiu no Twitter e no Daily Mail, onde assinou um texto de opinião integralmente dedicado ao ator. "Se tivéssemos feito a entrevista [no programa], eu poderia ter-lhe perguntado como é que o seu apoio heroico às mulheres justifica o facto de ter trabalhado com [o realizador] Roman Polanski, um abusador de crianças confesso e condenado, no filme The Ghostwriter. Polanski declarou-se culpado da violação de uma menina de 13 anos, e em seguida fugiu da América para escapar a uma longa pena de prisão", escreve no site. Recorde-se que o cineasta foi condenado em Los Angeles, em março de 1977, por cinco crimes contra Samantha Gailey.

"McGregor, que tem quatro filhas, foi questionado [sobre uma nova ordem de detenção de Polanski] e respondeu: 'sinto-me triste pelo Roman porque ele é um homem velho a quem eu sou incrivelmente afeiçoado. Eu gosto dele como um homem", termina o jornalista.

No Twitter, acrescentou: "Ewan McGregor odeia a forma como o Trump lida com as mulheres, mas adora o Roman Polanski que violou uma rapariga de 13 anos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".