Código escondido em apps infantis ativa conteúdo pornográfico

Chama-se Adult Swine e também pode roubar as credenciais de utilizador

O maior fabricante mundial especializado em cibersegurança, o Check Point Software Technologies, descobriu que existe um código malicioso na Google Play Store, que se esconde em cerca de 60 apps de jogos infantis e que já terá somado entre três a sete milhões de downloads.

Segundo o jornal Sol, que avança com a notícia, o Adult Swine - assim se chama o código - pode mover-se "lateralmente dentro do telefone, abrindo a porta a outras ameaças, como o roubo de credenciais de utilizador", além de apresentar pornografia ou anúncios inapropriados sem qualquer aviso prévio e de poder cobrar serviços fraudulentos.

Segundo um comunicado do Check Point Software Technologies, o código malicioso espera que o utilizador que fez o download de uma das apps e desbloqueie o ecrã para iniciar o ataque e a partir daí, o Check Point Software Technologies poderá também levar os utilizadores a tentar eliminar um vírus falso. Surge a mensagem: "Eliminar Vírus Agora", o utilizador é direcionado para outra aplicação do Google Play, "que na realidade é mais um malware", alerta o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.