Sindicato acusa Impresa de fazer "despedimentos encapotados"

Em causa está a transferência de funcionários do grupo de comunicação social de Francisco Pinto Balsemão para outra companhia, como aconteceu na Altice/PT, diz Arménio Carlos

O secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, acusou o grupo de comunicação social Impresa de estar a fazer "despedimentos coletivos encapotados" através da transferência de funcionários para outra companhia.

"O grupo tem problemas e está a tentar resolver os problemas recorrendo a métodos que, em nossa opinião, são condenáveis, nomeadamente de pressão para a saída de trabalhadores e, simultaneamente, também na transmissão para a opinião pública de um eventual aparecimento de um grupo para depois fazer a transferência desses mesmos trabalhadores", disse o responsável.

Em declarações à agência Lusa e após ser ouvido pelo grupo de trabalho que está a apreciar os projetos de lei sobre a alteração do regime jurídico da transmissão de empresa ou estabelecimento, no Parlamento, Arménio Carlos vincou que estas situações, que se sucedem às verificadas na Altice/PT, confirmam "a necessidade de o Governo tomar medidas urgentes, não só para combater as fraudes que estão em marcha e que visam claramente promover despedimentos coletivos encapotados, mas também, a partir daqui, atacar o problema das chamadas interpretações criativas dos grupos económicos".

Em causa está o processo de rescisões na Imprensa Publishing, no âmbito das revistas que vão transitar para o novo grupo editorial, depois da proposta de Luís Delgado para comprar estes títulos, negócio que não envolve a totalidade dos trabalhadores.

A Comissão de Trabalhadores da Impresa reuniu-se há três semanas com o presidente executivo, Francisco Pedro Balsemão, que informou este órgão representativo de que o grupo tinha obtido do comprador das suas publicações (Luís Delgado) a informação de que "a esmagadora maioria" dos funcionários diretamente afetos às marcas (jornalistas, pessoal da arte e do secretariado) iriam transitar para a nova empresa.

Fonte da Comissão de Trabalhadores da Impresa disse à Lusa, já no final de novembro, que "40 pessoas já foram chamadas e que 16 já saíram", no âmbito deste processo.

A lei em causa, que a CGTP quer alterada, não consagra o direito de oposição do trabalhador no caso de transmissão do estabelecimento.

No caso da Altice/PT, este regime jurídico já possibilitou a mudança de 155 funcionários para outras empresas do grupo - como a Tnord, Sudtel, Winprovit - e ainda a Visabeira.

Atualmente, a lei da transmissão estipula ainda que os trabalhadores que passaram para outras empresas mantenham os direitos laborais contratuais, mas apenas durante 12 meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.