Cena cortada de "A Guerra dos Tronos" mostra alusões à violência da série

Diálogo entre Arya Stark e um ator figurante foi eliminado da produção final. Em causa estava uma alusão às críticas que apontam a série como demasiado gráfica e violenta

Uma das cenas cortadas em A Guerra dos Tronos foi agora divulgada, mostrando as próprias personagens a refletirem sobre uma das críticas mais pertinentes apontadas à série. Violência e profanação, que original". A frase, posta na boca de um figurante que assistia, no episódio, a uma peça satírica sobre os nobres de Westeros, não passou na versão transmitida pela HBO.

Também a resposta de Arya Stark ao comentário do membro da audiência que assiste à peça foi eliminado da produção final. A personagem interpretada por Maisie Williams disse, em tom ríspido: "Por que é que não se vai embora, então?"

Entre as maiores críticas dirigidas à série inspirada nos livros de George R. R. Martin estão a natureza violenta e o cariz erótico do enredo. Os produtores de A Guerra dos Tronos disponibilizaram, juntamente com o DVD da sexta temporada, um extra com a duração de 11 minutos, onde se podem ver as cenas apagadas da última temporada.

A próxima leva de episódios chegará à televisão mais tarde do que o habitual, estando previsto que a estreia do primeiro capítulo aconteça em junho de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?