Caso Watergate. Mais um escândalo a inspirar série

O canal ABC vai recuperar uma das maiores histórias de espionagem da política americana, que culminou na demissão do presidente Nixon. Conheça outras séries sobre casos mediáticos

Watergate. Uma mancha na política norte-americana, descoberta pelo The Washington Post na década de 1970. O caso que expôs a prática de corrupção e espionagem por parte do então presidente Richard Nixon. Depois do filme de 1976 Os Homens do Presidente, vencedor de quatro Óscares, a história serve agora de inspiração a uma série de televisão, com chancela do canal ABC.

O projeto encontra-se ainda em fase embrionária, mas fontes próximas do mesmo avançam ao site Deadline que o foco será colocado em John Dean, consultor jurídico de Nixon entre 1970 e 1973, que esteve envolvido em todo o processo e ajudou a encobri-lo. Sabe-se também que a produção estará a cargo de Bob Cooper e que o argumento será escrito por Jon Maas.

Para espevitar a memória, recorde-se que o caso Watergate foi assim batizado na sequência de um assalto à sede do Comité Nacional Democrata, localizada no edifício Watergate, em Washington, nos EUA, e que desencadeou uma investigação dos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, do The Washington Post. Dois anos mais tarde, provado o envolvimento do presidente republicano Richard Nixon na espionagem ao partido rival, este acabou por se demitir.

Mais escândalos na TV

A futura série sobre Watergate vem reforçar a atual aposta das estações norte-americanas na recuperação de casos judiciais mediáticos do passado. Veja-se The People vs. O.J. Simpson: American Crime Story, série de dez episódios que o canal FX estreia a 2 de fevereiro nos EUA, sobre o polémico julgamento de Orenthal James Simpson, acusado de ter assassinado a ex-mulher, Nicole Brown, e o amigo Ronald Goldman, em 1994.

"Há uma urgência em perceber o que realmente aconteceu e como acabou desta forma. Se ele tivesse cometido o crime, porque é que foi declarado inocente?", atirou o ator Cuba Gooding Jr., que dá vida à antiga estrela de futebol americano, em entrevista à revista People.

Já o produtor executivo, Ryan Murphy, insiste que este programa deve ser, acima de tudo, "uma análise socialmente consciente e informada dos diferentes tipos de crime que existem no mundo".

Para isso, o elenco contará com nomes sonantes da indústria televisiva, como David Schwimmer (que interpreta Robert Kardashian, advogado de defesa), Sarah Paulson (Marcia Clark, advogada de acusação) ou John Travolta (Robert Shapiro, um outro membro essencial da equipa de defesa).

O canal ABC, por sua vez, tem um outro trunfo na manga. Trata-se de Madoff, minissérie que se estreia no dia seguinte e que mergulha no escândalo financeiro protagonizado por Bernie Madoff, que rebentou em 2008. Ao contrário de O.J. Simpson, que foi ilibado, o fundador de uma empresa em Wall Street cumpre atualmente pena de 150 anos de prisão por ter defraudado milhares de investidores em quase 65 milhões de dólares (59,9 milhões de euros). Cabe ao ator Richard Dreyfuss dar-lhe vida no pequeno ecrã.

A estação HBO, por sua vez, prepara também para este ano o telefilme Confirmation, que recupera a história de Anita Hill (interpretada por Kerry Washington), assistente de um juiz nomeado para o Supremo Tribunal, e que foi processado por ela por assédio sexual.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.