Cartazes de Abril grátis com Diário de Notícias

O DN oferece aos seus leitores, sempre aos sábados e domingos, a coleção Cartazes de Abril - Armas da Liberdade. Grátis na compra do DN, os cartazes que a Revolução desenhou e que são um testemunho de liberdade.

O primeiro cartaz, o menino que silencia a espingarda com um cravo é da autoria de Sérgio Guimarães e a caixa arquivadora para guardar toda a coleção. Amanhã, será oferecido o cartaz de Vespeira, Não Faças o Jogo da Reacção, Vota pela Revolução.

Marcelino Vespeira é uma das figuras marcantes deste período revolucionário. É da sua autoria o símbolo do Movimento das Forças Armadas (MFA), o cravo estilizado dentro de um círculo. Artista gráfico e pintor, foi um dos fundadores do Grupo Surrealista de Lisboa. Estudou Belas-Artes, Arquitetura, trabalhou em artes gráficas e em publicidade. Este cartaz, de 1975, Não Faças o Jogo da Reacção, Vota pela Revolução, joga com as palavras povo e voto. Um trocadilho revolucionário, em vésperas das primeiras eleições livres.

Nascido no Samouco, Alcochete, a 9 de setembro de 1925, Vespeira fez a sua primeira exposição, uma coletiva com Júlio Pomar, Fernando Azevedo, Pedro Oom e Gomes Pereira em 1943 (no ateliê que partilhava com Pomar, na Rua das Flores). Um ano depois enceta a sua atividade como desenhador publicitário. Em 1947 faria nascer o Grupo Surrealista de Lisboa (António Pedro, António Dacosta, Mário Cesariny, Alexandre O"Neill, Fernando Azevedo, Moniz Pereira, António Domingues e José-Augusto França).

No pós-25 de Abril, Vespeira esteve muito envolvido em várias manifestações artísticas e sociais, sendo uma voz ativa no clima de intervenção da altura.

É um dos autores do mural comemorativo do 1.º de Maio, feito no Instituto Superior Técnico. Marcelino Vespeira faleceu em 2002. Parte da sua obra artística pode ser conhecida no Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa.

Seguem-se na coleção Cartazes de Abril - Armas da Liberdade obras de Augusto Cid (21 de abril), Abel Manta (22 de abril), Amaral (28 de abril) e Vieira da Silva (29 de abril).

Calendário de saída em banca:

14 abril - Sérgio Guimarães (1974) + pasta arquivadora

15 abril - Vespeira (1975)

21 abril - Augusto Cid (1974)

22 abril - Abel Manta (1975)

28 abril - Amaral (1975)

29 abril - Vieira da Silva (1974)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.