Audiências dos Óscares continuam a cair

Desde de 2008 que a cerimónia de entrega dos prémios mais ambicionados do cinema não era tão baixa

A tendência é descendente e, pelo terceiro ano consecutivo, as audiências dos Óscares caem. Foram 32,9 milhões de espectadores, segundo os dados preliminares revelados pela Nielsen.

É o pior desempenho do evento televisivo não desportivo mais visto nos EUA desde 2008, quando 31,8 milhões de pessoas viram a entrega de prémios.

Nos últimos dois anos, a cerimónia perdeu mais de dez milhões de espectadores, tendo em atenção que os dados apresentados são apenas relativos aos Estados Unidos da América.

De acordo com alguns meios de comunicação, um dos motivos poderá ter sido a duração dos Óscares deste ano, com a cerimónia a rondar as 4 horas. Outra das razões deverá ter sido a forte carga política que se esperava que o espectáculo tivesse.

Curiosamente, o pico de espectadores aconteceu no final da cerimónia, quando houve a troca de envelopes aquando da entrega do Óscar de Melhor Filme.

Confira aqui os números de audiências dos Óscares neste século.

2017 - 32,9 milhões de espectadores
2016 - 34,3 milhões
2015 - 37,3 milhões
2014 - 43,7 milhões
2013 - 40,4 milhões
2012 - 39,5 milhões
2011 - 37,9 milhões
2010 - 41,6 milhões
2009 - 36,9 milhões
2008 - 31,8 milhões
2007 - 39,9 milhões
2006 - 38,6 milhões
2005 - 42,2 milhões
2004 - 43,6 milhões
2003 - 33 milhões
2002 - 40,5 milhões
2001 - 42,9 milhões
2000 - 46,5 milhões

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.