Foi Pablo Escobar, agora vai ser Hugo Chávez

O colombiano Andrés Parra, que deu vida ao líder do cartel de Medellín numa série de 2012, vai interpretar o falecido presidente venezuelano na série 'El comandante' da Sony

A Sony Pictures Television (SPT) deu luz verde a uma série inspirada na vida do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, que faleceu em 2013. Intitulada 'Hugo Chávez: El comandante', a série começa a ser gravada no verão e terá no total 60 horas. Num comunicado enviado à BBC, a produtora disse que "pelas dimensões do projeto, a série é a produção em espanhol mais ambiciosa da SPT até à data" .

O ator colombiano Andrés Parra, reconhecido pelo seu papel como líder do cartel de Medellín na série 'Pablo Escobar, el patrón del mal' (exibida na estação colombiana Caracol em 2012), vai vestir agora a pele de Hugo Chávez.

O ator divulgou no seu Twitter o primeiro cartaz da série, onde surge caracterizado com a boina vermelha que o ex-presidente usava. Sobre o seu rosto lê-se "O poder da paixão e a paixão pelo poder".

"O dia que tinha que chegar chegou", escreveu Parra no Twitter, dizendo depois a vários jornais que este poderá ser o papel da sua vida.

Hugo Chávez nasceu a 28 de julho de 1954 em Sabaneta e fez carreira militar. Em 1992, tentou derrubar num golpe o então presidente Carlos Andrés Pérez, tornando-se num rosto conhecido dos venezuelanos. Eleito presidente em 1998, lançaria a sua revolução bolivariana. Morreu em 2013, depois de uma luta contra o cancro, poucos meses depois de ter sido eleito para o quarto período presidencial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.