Foi Pablo Escobar, agora vai ser Hugo Chávez

O colombiano Andrés Parra, que deu vida ao líder do cartel de Medellín numa série de 2012, vai interpretar o falecido presidente venezuelano na série 'El comandante' da Sony

A Sony Pictures Television (SPT) deu luz verde a uma série inspirada na vida do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, que faleceu em 2013. Intitulada 'Hugo Chávez: El comandante', a série começa a ser gravada no verão e terá no total 60 horas. Num comunicado enviado à BBC, a produtora disse que "pelas dimensões do projeto, a série é a produção em espanhol mais ambiciosa da SPT até à data" .

O ator colombiano Andrés Parra, reconhecido pelo seu papel como líder do cartel de Medellín na série 'Pablo Escobar, el patrón del mal' (exibida na estação colombiana Caracol em 2012), vai vestir agora a pele de Hugo Chávez.

O ator divulgou no seu Twitter o primeiro cartaz da série, onde surge caracterizado com a boina vermelha que o ex-presidente usava. Sobre o seu rosto lê-se "O poder da paixão e a paixão pelo poder".

"O dia que tinha que chegar chegou", escreveu Parra no Twitter, dizendo depois a vários jornais que este poderá ser o papel da sua vida.

Hugo Chávez nasceu a 28 de julho de 1954 em Sabaneta e fez carreira militar. Em 1992, tentou derrubar num golpe o então presidente Carlos Andrés Pérez, tornando-se num rosto conhecido dos venezuelanos. Eleito presidente em 1998, lançaria a sua revolução bolivariana. Morreu em 2013, depois de uma luta contra o cancro, poucos meses depois de ter sido eleito para o quarto período presidencial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.