Foi Pablo Escobar, agora vai ser Hugo Chávez

O colombiano Andrés Parra, que deu vida ao líder do cartel de Medellín numa série de 2012, vai interpretar o falecido presidente venezuelano na série 'El comandante' da Sony

A Sony Pictures Television (SPT) deu luz verde a uma série inspirada na vida do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, que faleceu em 2013. Intitulada 'Hugo Chávez: El comandante', a série começa a ser gravada no verão e terá no total 60 horas. Num comunicado enviado à BBC, a produtora disse que "pelas dimensões do projeto, a série é a produção em espanhol mais ambiciosa da SPT até à data" .

O ator colombiano Andrés Parra, reconhecido pelo seu papel como líder do cartel de Medellín na série 'Pablo Escobar, el patrón del mal' (exibida na estação colombiana Caracol em 2012), vai vestir agora a pele de Hugo Chávez.

O ator divulgou no seu Twitter o primeiro cartaz da série, onde surge caracterizado com a boina vermelha que o ex-presidente usava. Sobre o seu rosto lê-se "O poder da paixão e a paixão pelo poder".

"O dia que tinha que chegar chegou", escreveu Parra no Twitter, dizendo depois a vários jornais que este poderá ser o papel da sua vida.

Hugo Chávez nasceu a 28 de julho de 1954 em Sabaneta e fez carreira militar. Em 1992, tentou derrubar num golpe o então presidente Carlos Andrés Pérez, tornando-se num rosto conhecido dos venezuelanos. Eleito presidente em 1998, lançaria a sua revolução bolivariana. Morreu em 2013, depois de uma luta contra o cancro, poucos meses depois de ter sido eleito para o quarto período presidencial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.