Assistente virtual inteligente da Amazon "espia" donos

Sem a ordens nesse sentido, Alexa gravou uma conversa entre o casal e enviou-a a um dos contactos dos seus telemóveis

Queixam-se de invasão de privacidade. Um casal de Portland, nos EUA, queixou-se à Amazon de que a sua assistente virtual inteligente - Alexa - tinha gravado uma conversa entre eles sem qualquer ordem nesse sentido e sem qualquer aviso. Mais: depois enviou a gravação, de forma aleatória, a um dos contactos gravados nos seus telemóveis.

Resultado: um empregado do "dono" da Alexa, que estava em Seattle, a vários quilómetros de distância, ouviu uma conversa onde o casal falava sobre pisos de madeira.

Ao KIRO 7, site que divulga a história, Danielle revelou que só soube do sucedido depois de o colega do marido lhe ter ligado em pânico.

"A pessoa na outra linha disse: 'desligue a Alexa, agora! Está a ser hackeada. Senti-me invadida. Uma invasão total de privacidade. Imediatamente, disse: 'Nunca mais vou ligar esse dispositivo, porque não posso confiar nele'".

A Amazon pediu desculpas pelo sucedido depois de ter confirmado a situação. "Eles disseram que viram exatamente o que disse, viram exatamente o que aconteceu, e que lamentavam. Pediram desculpa 15 vezes em 30 minutos", contou Danielle.

A conversa que explica o que aconteceu

A BBC publica a conversa telefónica que Danielle teve com o assistente da Amazon a quem perguntou o que poderia ter originado a situação.

"O dispositivo acordou devido a uma palavra na conversa de fundo que lhe soou a 'Alexa'. Então, a conversa subsequente foi ouvida como uma solicitação de 'enviar mensagem'. Nesse ponto, Alexa disse em voz alta: 'Para quem?' A conversa em segundo plano foi então interpretada como um nome na lista de contactos do cliente. Alexa voltou a perguntar em voz alta, '[nome do contacto], certo?'. Em seguida, interpretou a conversa de fundo como 'certo'."

A terminar o diálogo, a Amazon defendeu estar "a avaliar opções para tornar este caso ainda menos provável."

À KIRO 7 a Amazon disse que a empresa leva "a privacidade muito a sério. Nós investigámos o que aconteceu e determinámos que isso era uma ocorrência extremamente rara. Estamos a tomar medidas para evitar que isso aconteça no futuro."

O casal usava os recursos Smart Home da Alexa, onde este dispositivo controla o calor, as luzes e o sistema de segurança de toda casa.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.