Assistente de produção da série "Narcos" morto a tiro no México

Carlos Muñoz, de 37 anos, saíra para tirar fotografias para a série. Foi encontrado morto dentro de um carro, com vários tiros

Um assistente de produção da série Narcos foi morto a tiro no México, onde se encontrava a trabalhar para a próxima temporada da série, que é transmitida pela Netflix.

"Fomos informados da morte de Carlos Muñoz Portal, conhecido pelo seu trabalho de deteção de locais de filmagem. Enviamos as nossas condolências aos seus familiares", anunciou a Netflix num comunicado, após o assistente de produção ter sido encontrado morto numa área rural junto à capital mexicana, no estado do México.

Esse estado tem contabilizados 1.174 homicídios entre janeiro e julho deste ano, sendo o segundo mais violento do país, de acordo com dados oficiais.

A morte do assistente de produção de Narcos terá ocorrido na segunda-feira, segundo os meios de informação locais, mas só no final da semana foi confirmada pela Netflix.

Carlos Muñoz saiu na segunda-feira para tirar fotos para a série Narcos, cuja quarta temporada, que ainda não começou, deve decorrer no México.

O assistente de produção, de 37 anos, foi encontrado morto dentro de um carro, com várias marcas de tiros, numa área considerada violenta.

As autoridades mexicanas suspeitam que terá sido alvo de uma perseguição, mas as circunstâncias da morte ainda estão por apurar.

A série Narcos explora a temática do narcotráfico na América do Sul, tendo a primeira e segunda temporadas sido centradas no cartel de droga colombiano de Medellín e em Pablo Escobar.

A terceira temporada, que chegou este mês à Netflix, debruça-se sobre o cartel de Cali, também na Colômbia, já depois da captura e morte de Pablo Escobar.

Esta terceira temporada conta com a participação do ator português Pêpê Rapazote.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".