Arsénio Reis é o novo diretor da TSF

O jornalista assumirá a direção da rádio da Global Media Group a partir de 1 de agosto. Pedro Pinheiro será o diretor adjunto

Arsénio Reis é o novo diretor da TSF, anunciou esta tarde o conselho de administração (CA) da Global Media Group (GMG). O jornalista ocupa o cargo deixado por David Dinis a 1 de agosto. Pedro Pinheiro foi nomeado diretor-adjunto da mesma rádio.

"Arsénio Reis e Pedro Pinheiro fizeram parte ao longo dos últimos nove anos das duas últimas
direções da TSF, tendo então desempenhado as funções de diretor adjunto e subdiretor", recorda em comunicado o conselho de administração da GMG, sublinhando "com estas nomeações a ambição com que perspetiva o aprofundamento do projeto TSF, enquanto marca de informação líder em Portugal em qualidade, confiança e relevância".

Pedro Pinheiro, David Dinis e Arsénio Reis

"O CA confia que o trabalho que Arsénio Reis e Pedro Pinheiro irão liderar produzirá os melhores resultados, contando para o efeito com a sua larga experiência da TSF e do mercado de rádio em Portugal, e com o apoio de toda a equipa da TSF e da Global Media. O CA aproveita ainda esta ocasião para desejar aos agora nomeados votos das maiores felicidades no desempenho das suas renovadas funções".

A equipa da direção da TSF será ainda reforçada com um subdiretor, "nomeação sobre a qual será oportunamente prestada mais informação", lê-se na mesma nota.

Num outro comunicado, a GMG anuncia que Paulo Tavares, que atualmente desempenha as funções de editor executivo na TSF, será diretor adjunto do Diário de Notícias (DN) a partir de 1 de setembro, data em que Paulo Baldaia assume a direção do mesmo jornal. Joana Petiz e Leonídio Ferreira, que fazem parte da atual redação do DN, serão subdiretores.

"Uma vez que o atual diretor André Macedo cessa as suas funções a 31 de julho e a nova direção assume as suas funções no dia 1 de setembro próximos, haverá a necessidade de se proceder à nomeação de um diretor interino para o período de 1 a 31 de agosto, tendo sido convidado para o exercício dessa função Leonídio Ferreira. Manter-se-ão nas atuais funções até 31 de agosto Mónica Belo (diretora adjunta), Ana de Sousa Dias e Joana Petiz (subdiretoras)", acrescenta o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.