Aprender grego para embarcar com os Vikings

Um novo desafio na carreira do português Albano Jerónimo: vai ser Euphemius de Messina, um almirante grego, nos mares do Mediterrâneo. A quinta temporada da série apresenta-se hoje e o ator vai ver se faz uma pausa nos ensaios para não perder a sua própria estreia

Por estes dias, é protagonista no pequeno ecrã como Miguel em Paixão, na novela da SIC, em horário nobre, mas amanhã, domingo, 3, pelas 22.00, Albano Jerónimo quer ver o episódio de estreia da quinta temporada de Vikings no TVSéries. "Ainda não sei se tenho ensaio a essa hora, mas se não tiver, vou ver", confidenciou ao DN, numa pausa entre filmagens.

Vikings, o drama histórico, estreado há quatro anos e tornado série de culto em todo o mundo, é coproduzido entre a Irlanda e o Canadá e passa agora a ter participação portuguesa com o ator a integrar o elenco, ao lado de nomes como Jonathan Rhys Meyers, numa altura de viragem na trama. No final da temporada anterior, a morte do rei Ragnar (Travis Fimmel) deixou Lagertha (Katheryn Winnick) no trono, mas a luta pelo poder não vai dar tréguas, sobretudo, com a ameaça e a ambição de Ivar The Boneless (Alex Hogh Andersen), filho de Ragnar.

Albano Jerónimo não será um viking em combate, mas entra em cena como Euphemius de Messina, um almirante naval grego ao leme dos mares do Mediterrâneo, "um diplomata que se tornará uma figura política importante para mapear um bocado o percurso dos vikings ao longo do globo, nomeadamente no Norte de África". A sua personagem vem fazer a ponte entre o poder político instituído e o poder militar: "O Euphemius é escorregadio, uma coisa meio indefinida que está em todo o lado", descreve o ator.

A preparação para interpretar o almirante bizantino incluiu aprender grego arcaico semanalmente com um coach de língua e enfrentar climas muito diferentes de uma semana para a outra, entre as viagens por Marrocos, Irlanda e Islândia. Ao todo foram três meses e meio de filmagens, o que se traduz em quatro ou cinco episódios, dependendo dos mercados. "Tanto estávamos a filmar no mar da Irlanda com dois graus e na semana a seguir com 30 em Marrocos", revela.

Da experiência no deserto, onde o ator português nunca tinha estado, ficou uma memória "incrível e inédita" de um episódio que envolveu toda a equipa, muitas vezes, à volta de 60 a cem pessoas. "Estávamos em Merzouga, em Marrocos, todos à espera de filmar e de repente, ao fundo, surge uma espécie de neblina. Começámos a ver os locais a correr e, no minuto a seguir, uma tempestade de areia varreu tudo e todos, uma corrente de vento gigante, felizmente sem danos de maior para ninguém!" Também relembra o trabalho com Alexander Ludwig, o ator no papel de Bjorn Ragnarson. "Ele é um gigante canadiano com quem tive a felicidade de filmar a maior parte do tempo."

O ator já participou noutras produções internacionais em Espanha e Alemanha e admite que a máquina de produção da série da HBO realizada por Michael Hirst e que considera como uma prima afastada da Guerra dos Tronos, "também porque há realizadores comuns", é algo que se sobrepõe a tudo. "A realidade orçamental é completamente diferente, o facto de haver vários departamentos criativos torna único o envolvimento, de certa forma, com laivos hollywoodescos", declara Albano Jerónimo para, de seguida, admitir a grande "liberdade artística que se sente e o facto de isso contribuir logo para metade do trabalho do personagem".

Para o ator (atualmente em digressão com a sua primeira criação, Um Libreto para Ficarem em Casa Seus Anormais e a preparar um novo projeto para janeiro), os vikings sempre fizeram parte do seu imaginário, além de que adora história, geografia e história de arte. Acredita que a série reflete o mundo de hoje e a condição de vida e de sobrevivência humanas. "Aqui não há ninguém declaradamente bom ou mau, estas pessoas lutam por uma sobrevivência e isso vale tudo", diz. Para ele, abraçar este tipo de projetos representa uma saída da zona de conforto, o que torna não só mais rico o seu "espólio pessoal" como o coloca num desafio de aprendizagem e educação constantes.

Vikings

Canal TVSéries Domingos, 22.00

Estreia-se hoje a 5.ª temporada

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.