Anúncios contra a política de Trump

Intervalo publicitário do Super Bowl teve como alvo a política de imigração do presidente americano. Veja os vídeos

Várias marcas, como a plataforma de reservas de alojamento em casas particulares Airbnb, apresentaram no domingo as suas posições políticas através das respetivas publicidades na Super Bowl, com a política de imigração de Donald Trump a ser um tema recorrente.

O investimento em publicidade na final do futebol americano (em 2016 foi vista por 111,9 milhões de telespectadores) é de tal forma elevado que a polémica e a política ficam normalmente de fora dos anúncios. Mas no domingo, várias marcas mudaram de atitude.

A publicidade da Airbnb foi considerada a mensagem mais forte, ao reagir ao decreto assinado há mais de uma semana pelo Presidente americano, Donald Trump, que proíbe temporiamente a entrada no país de cidadãos de sete países de maioria muçulmana.

O anúncio de 30 segundos da Airbnb mostra uma série de pessoas de diferentes etnias, géneros e idades, com a seguinte mensagem: "Não importa quem és, e de onde és, quem amas e em quem acreditas, todos nós temos o nosso lugar" [No matter who you are, where you're from, who you love or who you worship, we all belong]. A Airbnb lançou, nesta ocasião, a palavra-chave "#weaccept" (nós aceitamos).

Alguns instantes depois da difusão da publicidade na estação de televisão Fox, o diretor geral da Airbnb, Brian Chesky, publicou uma mensagem na rede social Twitter. "Vamos contribuir com quatro milhões de dólares nos próximos quatro anos para o Comité Internacional de Socorro", uma organização não-governamental que ajuda refugiados no mundo, "para atender às necessidades dos deslocadas no mundo", escreveu.

A marca de cerveja norte-americana Budweiser consagrou o seu espaço publicitário durante a Super Bowl à evocação de um dos seus fundadores, Adolphus Busch, e o seu percurso de imigrante alemão nos Estados Unidos.

A marca 84 Lumber, especialista em materiais de construção, difundiu uma publicidade que mostra o percurso de uma menina que tenta atravessar na clandestinidade o que parece ser a fronteira entre o México e os Estados Unidos.

A publicidade difundida na Fox mostra apenas a primeira parte do percurso da rapariga e convida a ir até ao 'site' da 84 Lumber para ver o resto.

O filme publicitário integral mostra dois migrantes que se deparam com um muro, fazendo lembrar o muro que Trump quer construir ao longo da fronteira com o México. Os dois finalmente encontram uma porta que Conseguem abrir. De seguida, surge a mensagem: "A vontade de vencer é sempre bem-vinda aqui".

Igualmente no registo da imigração, a empresa de viagens online Expedia mostra uma mulher que percorre o mundo para socorrer migrantes e ajudar os mais necessitados. O filme publicitário já tinha sido difundido nos Estados Unidos no dia da cerimónia da tomada de posse de Donald Trump como Presidente dos EUA.

Nas redes sociais, as publicidades suscitaram reações maioritariamente positivas, mesmo quando várias mensagens foram bastante críticas.

Os New England Patriots venceram sensacionalmente a 51.ª edição do Super Bowl, ao baterem no domingo os Atlanta Falcons por 34-28, após o primeiro prolongamento de sempre e depois de estarem a perder por 25 pontos, em Houston.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.