Anúncios contra a política de Trump

Intervalo publicitário do Super Bowl teve como alvo a política de imigração do presidente americano. Veja os vídeos

Várias marcas, como a plataforma de reservas de alojamento em casas particulares Airbnb, apresentaram no domingo as suas posições políticas através das respetivas publicidades na Super Bowl, com a política de imigração de Donald Trump a ser um tema recorrente.

O investimento em publicidade na final do futebol americano (em 2016 foi vista por 111,9 milhões de telespectadores) é de tal forma elevado que a polémica e a política ficam normalmente de fora dos anúncios. Mas no domingo, várias marcas mudaram de atitude.

A publicidade da Airbnb foi considerada a mensagem mais forte, ao reagir ao decreto assinado há mais de uma semana pelo Presidente americano, Donald Trump, que proíbe temporiamente a entrada no país de cidadãos de sete países de maioria muçulmana.

O anúncio de 30 segundos da Airbnb mostra uma série de pessoas de diferentes etnias, géneros e idades, com a seguinte mensagem: "Não importa quem és, e de onde és, quem amas e em quem acreditas, todos nós temos o nosso lugar" [No matter who you are, where you're from, who you love or who you worship, we all belong]. A Airbnb lançou, nesta ocasião, a palavra-chave "#weaccept" (nós aceitamos).

Alguns instantes depois da difusão da publicidade na estação de televisão Fox, o diretor geral da Airbnb, Brian Chesky, publicou uma mensagem na rede social Twitter. "Vamos contribuir com quatro milhões de dólares nos próximos quatro anos para o Comité Internacional de Socorro", uma organização não-governamental que ajuda refugiados no mundo, "para atender às necessidades dos deslocadas no mundo", escreveu.

A marca de cerveja norte-americana Budweiser consagrou o seu espaço publicitário durante a Super Bowl à evocação de um dos seus fundadores, Adolphus Busch, e o seu percurso de imigrante alemão nos Estados Unidos.

A marca 84 Lumber, especialista em materiais de construção, difundiu uma publicidade que mostra o percurso de uma menina que tenta atravessar na clandestinidade o que parece ser a fronteira entre o México e os Estados Unidos.

A publicidade difundida na Fox mostra apenas a primeira parte do percurso da rapariga e convida a ir até ao 'site' da 84 Lumber para ver o resto.

O filme publicitário integral mostra dois migrantes que se deparam com um muro, fazendo lembrar o muro que Trump quer construir ao longo da fronteira com o México. Os dois finalmente encontram uma porta que Conseguem abrir. De seguida, surge a mensagem: "A vontade de vencer é sempre bem-vinda aqui".

Igualmente no registo da imigração, a empresa de viagens online Expedia mostra uma mulher que percorre o mundo para socorrer migrantes e ajudar os mais necessitados. O filme publicitário já tinha sido difundido nos Estados Unidos no dia da cerimónia da tomada de posse de Donald Trump como Presidente dos EUA.

Nas redes sociais, as publicidades suscitaram reações maioritariamente positivas, mesmo quando várias mensagens foram bastante críticas.

Os New England Patriots venceram sensacionalmente a 51.ª edição do Super Bowl, ao baterem no domingo os Atlanta Falcons por 34-28, após o primeiro prolongamento de sempre e depois de estarem a perder por 25 pontos, em Houston.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.