"American Horror Story" assegurada até 2019

A série antológica de Ryan Murphy continua na grelha de programação do canal FX. Depois de garantida a sétima temporada, John Landgraf, CEO do canal, confirma mais duas sequelas

O canal norte-americano FX não só renovou a série American Horror Story para uma sétima temporada (com estreia agendada para o outono deste ano nos Estados Unidos e em Portugal ainda em data a anunciar), como também garantiu que irá seguir para uma oitava e nona temporadas, assegurando a continuidade da série até 2019.

À semelhança de American Horror Story: Roanoke, o enredo da sétima temporada é guardado a sete chaves. John Landgraf, CEO do canal FX, promete, com esta nova sequela, surpreender os espetadores. "Ryan [Murphy, criador da série] tem outras ideias inovadoras de como fazer algo novo e diferente com a série que o público não viu antes, e haverá uma estratégia de marketing à volta disso", explicou durante a conferência de imprensa da Television Critics Association.

Quanto às próximas duas temporadas, Landgraf assegurou desconhecer sobre o que vão tratar. "Sabemos exatamente o que vai acontecer nesta sétima temporada, mas não sabemos de que forma iremos abordar a oitava e nona", disse. "Continuamos a depositar a nossa confiança e boa vontade, tal como o Ryan [Murphy] assumiu o compromisso de que iria continuar envolvido na série da mesma forma que tem estado até aqui", frisou, garantindo que está "confiante" de que as temporadas 8 e 9 serão "igualmente originais e interessantes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.